ELBA

1987

ELBA
    • Ai de Mim (Luiz Caldas) Letra


      O azul é prova dessa pomba paz

      O preto é brilho e essa luz me faz

      Sentir a rosa e namorar o espinho

      Conseguir carinho, não sofrer jamais

       

      As cores brancas leves de algodão

      Vermelho sangue cresce minha paixão

      Eternidade, cravo de amargura

      Vira uma pintura, pinta o coração

       

      Ai, ai, ai, tem dó de mim

      Seja minha flor

      Que eu serei o seu jardim

      Ai, ai, ai, ai, tem dó de mim

      Seja minha flor

      Que eu serei o seu jardim

       

      No rosa-choque o seu batom lilás

      Sempre me instiga, mas não satisfaz

      Me deixa louco como fica o caule

      Quando a gente arranca a rosa branca da paz

       

      Um olho cego pode ver a mais

      Um coração vê até por trás

      A natureza me inspirou beleza

      Pois ela é alteza no que sempre faz


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência, piano Yamaha, DX-7 e Mirage: Zé Américo Bastos

      Guitarra e GR 700: Zeppa Souza

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Bongo e kikó: Firmino

      Triângulo e afoxé: Camilo Mariano

      Sax soprano: Marcelo Neves

      Trombone: Moisés

    • Folia Brasileira (Nando Cordel) Letra


      Tem que ter molejo, meu bem

      Tem que ter tempero, meu bem

      Se agarrar com jeito

      Se esfregar direito

      Nesse vai e vem

       

      O forró tem que ser agarradinho

      Tem que ser no escurinho

      Tem que se aproveitar

      O forró é uma folia brasileira

      Só acaba a brincadeira

      Quando o dia clarear

       

      Tem que ter

      Perna batendo com perna

      Coxa roçando com coxa

      No umbigo e no pescoço

       

      Tem que ter

      Um roça-roça toda hora

      Um pra dentro, outro pra fora

      Pra gente sentir o gosto


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Acordeom: Marcos Farias

      Maraca: Losa

      Triângulo e cicerro: Tinda

      Zabumba: Cícero e Firmino

      Guitarra e vocal: Zeppa Souza

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Pandeiro: Zizinho

      Triângulo, surdo, bongo e pandeiro: Firmino

      Trompetes: Paulinho Martins, Paulinho Roberto e Don

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Sax alto: Zé Carlos

      Trombone: Moisés

      Vocal: Jurema, Jussara, Betina, Regininha, Marcio Lott, Hilton Assunção, Jaime Alem, Nair Cândia e Jurema Cândia

    • Vem Ficar Comigo (Nando Cordel / Dominguinhos) Letra


      Vem ficar comigo

      Vem ser a luz da minha estrada

      Vivo esperando esse céu para brilhar

      Teu sorriso lindo

      A tua boca doce sempre

      Eu necessito do teu amor

      Pra me enfeitar

       

      Vem brincar comigo

      Vem cuidar de mim

      Só teu paraíso é quem me faz viver feliz

      Não me deixe solta

      Posso me perder

      De tudo no mundo

      O que eu mais quero é ter você


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo de cordas, piano Yamaha e Mirage: Zé Américo Bastos

      Arranjo de base: Hilton Assunção

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Guitarra: Zeppa Souza

      Xique-xique e pandeiro: Zeppa Souza

      Acordeom: Dominguinhos

    • Quero Mais (Nando Cordel) Letra


      O frevo tá no sangue do povo

      No morro, na rua

      O frevo deixa a gente louco

      Leve, afoito

      Atiça a gente se amar

      Não dá pra segurar

      Não dá pra segurar

      Atiça a gente se amar

      Não dá pra segurar

      Não dá pra segurar

       

      Quero mais

      Quero mais

      Pra me derreter

      Quero mais

      Quero mais

      Fazer com você

      Quero mais

      Quero mais

      Toda energia

      Êta coisa boa tá nessa folia


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Guitarra e vocal: Zeppa Souza

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Triângulo, surdo, bongo e pandeiro: Firmino

      Trompetes: Paulinho Martins, Paulinho Roberto e Don

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Sax alto: Zé Carlos

      Trombone: Moisés

      Pandeiro: Zizinho

      Acordeom: Dominguinhos

      Guitarra baiana: Armandinho

      Vocal: Jurema, Jussara, Betina, Regininha, Marcio Lott, Hilton Assunção, Jaime Alem, Nair Cândia e Jurema Cândia

    • Ginga (Tadeu Mathias) Letra


      É o céu, é o céu, é o céu

      Essa ginga da gente é o céu

      É o céu, é o céu, é o céu

      Essa ginga da gente é o céu

       

      Ginga Brasil no balanço da rede

      Remexe no remo do remador

      De dia a feira é festa de rua

      De noite na praia ciranda e amor

       

      Muita alegria raça brasileira

      Ginga que a gente já miscigenou

      O povo se lança num vento nordeste

      E é nessa dança do povo que eu vou

       

      Olha a cintura (é ela)

      Sente o chamego (é ela)

      Subindo o morro (é ela)

       

      Maracatu (é ela)

      Quem dança lundu (é ela)

      Pagode na favela (é ela)

       

      Rio de Janeiro (é ela)

      Samba no pé (é ela)

      E a brasileira (é ela)

       

      Que tem cor de canela (é ela)

      Gilberto Gil (é ela)

      Lá da Bahia (é ela)

      É ela, é ela, é ela


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência, piano Yamaha e DX-7: Zé Américo Bastos

      Guitarra e vocal: Zeppa Souza

      Baixo: Pipiu

      Bateria e percussão: Elber Bedaque

      Congas LP e percussão: Firmino

      Trompetes: Paulinho Martins, Paulinho Roberto e Don

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Sax alto: Zé Carlos

      Trombone: Moisés

      Vocal: Jurema, Jussara, Betina, Regininha, Marcio Lott, Hilton Assunção, Jaime Alem, Nair Cândia e Jurema Cândia

    • Nós Destinos (Moraes Moreira) Letra


      Na pessoa de João

      Muito milho no paiol

      Quando inverna a estação

      Natal cidade do sol

      Natal cidade do sol

       

      Sim, somos da mesma laia

      Que nem castanha e caju

      Até lá naquela praia

      De Atalaia à Aracaju

       

      Sou nordestina

      E aprendi desde menina

      Ter orgulho dessa gente

      Que um dia independente

      Vai viver, vocês verão

       

      Cabra-da-peste no sentido mais profundo

      Ser um cidadão do mundo

      Luiz Gonzaga

      Padim Ciço e Lampião

       

      Quero mais não

      Viver em guerra ou no abandono

      Em muita terra e pouco dono

      Viver em guerra ou no abandono

      Em muita terra e pouco dono

       

      És a minha Fortaleza

      Forte beleza combina

      Verdes mares correnteza

      Da paisagem nordestina

      Da paisagem nordestina

       

      Bom Alah das Alagoas

      Ata ou desata esse nó

      Da cabeça das pessoas

      Mão na massa em Maceió


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência, piano, DX-7 e Mirage: Zé Américo Bastos

      Guitarra e GR 700: Zeppa Souza

      Bateria: Elber Bedaque

      Triângulo, kikó e afoxé: Firmino

      Acordeom: Dominguinhos

      Bandolim: Armandinho

    • Rumbaiana (Tadeu Mathias) Letra


      Vou fazer uma rumbaiana

      Como a minha irmã cigana me ensinou

      Uma dança bonita e mundana

      Vai ganhar todo o seu amor

       

      Mexe, mexe

      Mexe de prazer

      Ao som da rumba quero ver você mexer

      Mexe, mexe

      Mexe de prazer

      Ao som da rumba quero ver você mexer

       

      Quero ver você dançando coladinho

      Teu suor vem me molhando o corpo todo

      Tu e eu, ai, eu e tu agarradinho

      E todo mundo escorregando nesse lodo


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Guitarra: Zeppa Souza

      Bateria: Elber Bedaque

      Congas LP, bongo, guiro, klave, cicerro e timbales LP: Firmino

      Trompetes: Paulinho Martins, Paulinho Roberto e Don

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Trombone: Moisés

      Sax alto: Zé Carlos

      Vocal: Elba Ramalho

    • Lembrando Você (Sergio Souto / Moacyr Luz) Letra


      Lá, quando eu ouvia o canto do albatroz

      Eu lá sabia o que era um albatroz

      O que eu mesmo queria era lembrar você

      O teu cheirinho de flor que nasce do ipê

       

      Sim, eu te perdi como quem perde a voz

      E vi secar as águas do orós

      O sal do mar, a flor-de-lis

      Um beija-flor

       

      Vi meu coração sofrer

      Eu vi também o que eu nem pude crer

      É que o pranto quando molha

      Desce até manchar

      A seca lá fora não quer mais armar

       

      E eu lembrando você

      Ai, essa saudade atroz

      Se um de nós aparecer

      Abro a mala dos lençóis


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, piano Yamaha, DX-7 e Mirage: Zé Américo Bastos

      Guitarra e GR 700: Zeppa Souza

      Bateria e afoxé: Elber Bedaque

      Baixo: Pipiu

      Reco-reco, kikó e woodblock: Firmino

      Flauta: Marcelo Neves

      Trompete: Paulinho Martins

      Trombone: Moisés

      Acordeom: Dominguinhos

    • Corcel na Tempestade (Adauto Magalha / Almir Guineto) Letra


      Hoje meu coração é só saudade

      Vive adversidade

      A tristeza mora em mim

      Eu que já senti felicidade

      Vivo a dura realidade

      Nosso amor chegou ao fim

       

      Com você deixei a mocidade

      No teu corpo a virgindade

      O que é bom vive tão pouco

       

      Deixo o meu corcel na tempestade

      Galopando na saudade

      Procurando por você

      Deixo o meu corcel na tempestade

      Ando doida de saudade

      De saudade de você

       

      Meu amor não me esqueça

      Não te esquecerei

      Em muito sonho ainda

      Eu te encontrarei


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo de cordas, DX-7 e Mirage (cordas): Zé Américo Bastos

      Arranjo de base e violão Ovation: Hilton Assunção

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Guitarra e GR 700: Zeppa Souza

      Klave LP, xique-xique, sino e afoxé: Firmino

      Acordeom: Dominguinhos

      Bandolim: Armandinho

    • Da Mesa pra Cama (Cecéu) Letra


      Depois do banho

      Eu me perfumo e arrumo a cama

      Porque quem ama

      Não escolhe hora pra brincar

      É tão difícil um amor desse jeito, perfeito

      Que às vezes penso

      Que um dia você vai me deixar

       

      Mas quando você me beija

      Eu também lhe beijo

      Mais aumenta o meu desejo

      Esquentando meu coração

      E esse molejo é você quem me dá

      Tem gracejo, um desmaio, um relampejo

      É um raio essa sensação

       

      Então a gente se abraça

      Se beija, rebeija

      Vai vivendo nessa peleja

      Fugindo da solidão

       

      Que bom quando a gente se ama

      Quando esse amor tem um quê

      Assim é da mesa pra cama

      Eu e você


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Acordeom: Marcos Farias

      Zabumba: Cícero

      Triângulo: Tinda

      Maraca e agogô: Losa

      Guitarra e vocal: Zeppa Souza

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Pandeiro: Zizinho

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Trombone: Moisés

      Trompete: Paulinho Martins

      Vocal: Jurema, Jussara, Betina, Regininha, Marcio Lott, Hilton Assunção, Jaime Alem, Nair Cândia e Jurema Cândia

    • Sina de Cigarra (Jackson do Pandeiro / Delmiro Ramos) Letra


      Nasci com a sina de cigarra

      Aonde eu chegar tem farra

       

      Iê, iê, iêi, nasci pra cantar eu cantarei

      Iê, iê, iêi, nasci pra cantar eu cantarei

       

      Vive o pedreiro do prumo

      A abelha do sumo

      O pescador de anzol

       

      O campeão da taça

      O camelô da praça

      E eu canto forró

       

      Coração bateu

      (Jackson do Pandeiro / Ivo Martins)


      Coração bateu

      Coração bateu

      Coração bateu

      Ele bate mais forte que eu

       

      Competente demais

      (Jackson do Pandeiro / Valdemar Lima)


      Você falou que era

      Entendido demais

      Competente demais

      Pago pra ver o que é que você faz

      Eu pago pra ver o que é que você faz

       

      Mundo cão

      (Jackson do Pandeiro / Rogeria Ribeiro)


      Eu não sei, não sei não

      O que é que eu vou fazer

      Pra continuar vivendo nesse mundo cão

       

      Pra dar duro no batente

      Saio as quatro da matina

      Compro logo um jornal

      Pra completar a rotina

      Vejo crime e violência

      Tudo é patifaria

      Fico com a cuca quente

      Lá se foi minha alegria

       

      Cantiga da perua

      (Jackson do Pandeiro / Elias Soares)


      É de pior a pior

      É de pior a pior

      A cantiga da perua é uma só

       

      Andam dizendo

      Que o progresso vai chegar

      Que a coisa vai melhorar

      Quando o homem for pra lua

      Mas a verdade crua

      É que a situação da vida

      Tá ficando parecida

      À cantiga da perua

       

      De tudo isso

      O que mais me inquizila

      É o sujeito entrar na fila

      Pra comprar o que não tem

      Vai chegar tempo

      Que a nossa rapaziada

      Pra falar com a namorada

      Entra na fila também

       

      Eu vou pra lua

      (Ary Lobo / Luiz de França)


      Eu vou pra lua

      Eu vou morar lá

      Vou no meu Sputinik

      Do campo do Jequiá


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Zé Américo Bastos e Marcos Farias

      Acordeom e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Guitarra e vocal: Zeppa

      Baixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Pandeiro: Zizinho

      Zabumba, triângulo, xique-xique, kikó e block: Firmino

      Clarinete: Netinho

      Vocal: Jurema, Jussara, Betina, Regininha, Marcio Lott, Hilton Assunção, Jaime Alem, Nair Cândia e Jurema Cândia

sjc-fallback

Essas vozes nordestinas, onde as melodias parecem ser expressas meio na marra, invariavelmente demoram um bom tempo para serem assimiladas no sul. Imaginem que o grande Luiz Gonzaga, e ninguém ousa duvidar ser ele hoje em dia a mais eminente figura musical de sua região, foi também malhado quando começou a cantar nos seus discos.

O ímpeto em mostrar sua própria grandeza cultural num novo ambiente deixa em geral o nordestino meio aflito, e a técnica muitas vezes cede lugar a impulsos aparentemente desgovernados e com certeza um tanto ingênuos. Os observadores mais generosos acham que isso é garra, porém, os mais afoitos não conseguem esconder seu desagrado ou pelo menos reconhecer sua própria incapacidade de assimilação. Alceu, Fagner e Elba foram carimbados com apelidos até imaginativos, mas que só faltavam excomunga-los da música popular.

Esse desafio, e outros mais, fizeram de Elba Ramalho uma batalhadora indomável em tudo que tentou realizar. Tentou e conseguiu sempre. Elba é a estrela mais brilhante da música popular brasileira. O novo disco de uma estrela dessa magnitude precisa ser ouvido com atenção especial.

O que há de mais forte neste disco é a força da cultura nordestina. Expressa não por meio daquela ansiedade muito transparente nos seus primeiros discos, mas com a maturidade que choques e soluços ornamentaram sua sólida estrutura de mulher-artista. Elba é uma nordestina agora experiente, que se movimenta sabendo o tamanho do passo que vai dar.

Depois de 8 discos, centenas de shows e milhares de quilômetros pelo Brasil e pelo mundo, sempre com sua Banda Rojão, Elba divide a produção deste LP com o tecladista e arranjador Zé Américo, com ela desde o segundo disco. Um dado fundamental para este esplêndido trabalho artesanal, muito diferente da pobreza imbecil que tem atrofiado a cultura musical do país.

 

Em ordem alfabética, estas são as músicas:

 

Ai de mim – é um galope ou forró-quadrilha, como também é chamada essa forma rítmica que o baiano descobriu, embora seja bem familiar a paraibanos e pernambucanos. Com uma forte marcação binária, Zé Américo optou pelos sopros em lugar da sanfona.

Corcel na tempestade – uma toada romântica bem povão, feita pelo pagodeiro Almir Guineto e seu parceiro Adauto Magalha, com quem Elba se dá muito bem no Rio. Às vezes, ela sobe o morro, vai à periferia, às vezes os sambistas vão à sua casa, numa transa que já tem muito tempo. Foi escolhida entre várias sugestões recebidas nessa área, e é uma novidade nos discos de Elba.

Da mesa pra cama – Cecéu é uma presença frequente nos sucessos de Elba, desde Bate coração. Da mesa pra cama é na linha picante, com letra de duplo sentido e a malícia constante na música nordestina. No arranjo de Zé Américo há uma sutil mudança rítmica que aproxima o nordeste do samba carioca.

Folia brasileira – Nando Cordel é a mais nova revelação para a música brasileira destes tempos e tem feito parcerias inspiradíssimas com Dominguinhos. Elba já provou o gosto de um sucesso da dupla na suave canção De volta pro aconchego. Esta, ao contrário, é uma festa, com molejo e tempero que apimentam muito o trabalho de Elba ao incendiar a plateia quando entra no palco. Um forró com a metaleira se espalhando e o ritmo comendo largado, à moda do inesquecível Jackson do Pandeiro.

Ginga – antes de gravar o disco, Elba passou 15 dias no nordeste. A comida, o calor humano, as festas e o clima que sentiu bem fortemente provocaram a encomenda desta música a seu vocalista Tadeu Mathias, e cujo título deveria ser o do disco. No estúdio foram trabalhados ritmos que fervem no caldeirão baiano com evidentes influências de batidas e marcações africanas, muito evidenciadas ultimamente no mundo todo.

Lembrando você – guardada por Elba desde 1984, é uma composição do talentoso Sergio Souto, nascido no Acre, com o letrista Moacyr Luz. É a música que mais gosto neste disco, uma melodia de grande personalidade que resolve com originalidade os caminhos escolhidos, e muito bem casada à letra. A interpretação de Elba é direta e sensível, o que é explicável: é uma música que pegou-a direto no coração.

Nós destinos – este disco é uma declaração aberta de amor ao nordeste, resumida sem pieguice nesta música de Moraes Moreira. O toque político é expresso no sonho de ver o nordeste independente, que Elba, como todo nordestino, sente na alma e exprime no canto triste e esperançoso. Dominguinhos e Armandinho, convidados especiais, atuam em várias faixas do disco, inclusive nesta.

Pout-pourri Jackson do Pandeiro – “Ousei fazer um pout-pourri de Jackson”, afirma Elba modestamente. Porém, é o Jackson compositor, que representa uma parcela bem menor do que se pensa de seu repertório como cantor. Por isso não são músicas tão conhecidas, mesmo pelos seus admiradores. Algumas mais românticas, outras com uma abordagem social, todas feitas há anos atrás em ritmo de samba, que Jackson também cantava fantasticamente. Sambas atuais e definitivos, como esse grande herói da música nordestina a quem Elba considera seu mestre e o maior estimulador.

Quero mais – um frevo tipo pipoca no fogo. Com letra simples, a segunda parte tem uma participação rítmica meio forrozeira, pois Nando Cordel, como pernambucano, embora não negue a raça de ótimo compositor de frevo, também é chegado a um forró. Energia pura, também com Armandinho e Dominguinhos na banda.

Rumbaiana – mesmo gostando de salsas, rumbas e merengues, Elba acha que captou melhor esses ritmos depois de ter ido a Cuba e sentido que isso é o forró de lá. Aliás, hoje no nordeste o forró é dançado mais como uma rumba, com os casais rebolando diferente por influência da lambada, isto é, via Pará. Elba estranhou essa mudança e adorou a mistura, pois é assim que ela sempre gostou de dançar. Belo arranjo de Zé Américo e mais um espaço a Tadeu Mathias, em quem ela acredita muito.

Vem ficar comigo – desde as suaves canções de Vital Farias (como Sete cantigas para voar), Elba tem desenvolvido o trabalho vocal em músicas românticas. Esta canção permaneceu guardada 2 anos, mas ela só decidiu gravá-la quando sentiu sua voz suficientemente encorpada para dar essa interpretação calorosa e solta. Mais uma vez Dominguinhos tem uma participação especial em sua própria música, dando o toque melodioso que enfeita tudo o que faz.

 

Zuza Homem de Mello

(maio de 1987)


@parent