Fruto

1988

Fruto
    • Doida (Nando Cordel) Letra


      Doida, muito doida eu sou

      Pelo teu amor

      Doida, muito doida eu tô

      Pelo teu amor

       

      Vem mexer comigo

      Pra ver meu fogo te ascender

      Vem rolar comigo

      Se lambuzar no meu prazer

      Eu te dou carinho, te faço um dengo

      Deixo a fim

      Te faço tudo

      E você só faz gostar de mim

       

      Ô, ô, ô, ô

      Ô, ô, ô, ô, ô

      Me saculeja, me beija

      Me dá teu calor


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo de base: Zé Américo Bastos, Zeppa Souza, Julinho Teixeira e Firmino

      Orquestração, regência, DX-7 e klavinet: Zé Américo Bastos

      Piano Yamaha: Julinho Teixeira

      Bateria: Elber Bedaque

      Guitarra: Zeppa Souza

      Contrabaixo: Pipiu

      Congas LP, bongo, afoxé, cowbell, timbales LP, agogô e guiro: Firmino

      Trombone: Moisés do Nascimento

      Trompetes: Paulinho, Paulinho Martins e Bidinho

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Sax alto: Leo Gandelman

      Vocal: Elba, Viviane Godoi, Jussara Lourenço, Jurema Lourenço, Jaime Alem, Jurema Cândia, Tadeu Mathias, Lourenço e Maurício Mattar

    • Salve-se Quem Puder (Dominguinhos/Fausto Nilo) Participação Especial: Dominguinhos Letra


      A gente faz o amor

      Só não desfaz o rancor

      Não chore se eu disser

      Você não quis quando eu quis

      Agora quer ser feliz

      Do jeito que o diabo quer

       

      Eu já cansei de esperar

      Olhando o tempo passar

      Não quero mais sofrer

      Agora já é depois

      Sorrimos juntos nós dois

      Podemos esquecer

       

      Indecisão nunca mais

      O tempo não satisfaz

      A quem não sabe o que quer

      Você foi tudo, meu Deus

      Mas seu demônio sou eu

      E salve-se quem puder


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Dominguinhos e Zé Américo Bastos

      Orquestração, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Guitarra: Zeppa Souza

      Acordeom: Dominguinhos

      Contrabaixo: Pipiu

      Triângulo e kocó: Firmino

      Bateria: Elber Bedaque

      Flautas: Marcelo Neves, Murilo Barquette, Mauro Senise e Celso Woltzenlogel

    • Segredo de Menina (Paulo Debétio / Waldir Luz) Letra


      Ninguém conhece os segredos da menina

      Que canta e dança no brilho da purpurina

      Ninguém conhece os segredos da menina

      Que canta e dança no brilho da purpurina

       

      Seu decotado, o rebolado, o riso franco

      Deixa de água na boca sarará, negros e brancos

      Suor pingando, cabeleira solta ao vento

      E a gente vai se perdendo no tic tac do tempo

       

      Eu sou assim, filha e mãe paraibana

      Zona Norte, Zona Leste, Zona Sul, Copacabana

      E vou levar o meu baião envenenado

      Esse toque malcriado que me faz ser tão mulher

       

      Olha o mirante de butuca nas canelas

      Da jovem moça que cheira cravo e canela

      Olha o mirante de butuca nas canelas

      Da jovem moça que cheira cravo e canela

       

      Olha o passista com seu passo elegante

      Entra em cena pra brilhar

      Sob o olhar da jovem amante

      Roda moinho, roda a saia no compasso

      Quero ser mulher rendeira delirando nos seus braços


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Guitarra: Zeppa Souza

      Acordeom: Dominguinhos

      Contrabaixo: Pipiu

      Bateria: Elber Bedaque

      Pandeiro: Nandinho do Pagode

      Triângulo: Borel

      Egg maracas, congas LP, clave, cicierro, block: Firmino

      Trombones: Moisés do Nascimento e Ricardo Marques

      Trumpetes: Paulinho, Paulinho Martins e Bidinho

      Sax tenor: Marcelo Neves

      Sax alto: Leo Gandelman

    • Estrela Grande (Caetano Veloso) Letra


      Estrela grande

      Por mais que eu ande

      Nunca te perco

      Nunca te alcanço

      Estrela grande

       

      Por mais que eu ande

      Estrela grande

      Nunca te alcanço

      Nunca te perco

      Por mais que eu ande

       

      Linda, mais linda

      Que todas as frutas

      E flores da terra morena

      Fundo de mim, minha pena

      Lágrima lume do espírito

      Que habita tudo que existe

      Meu grito tão triste


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e guitarra: Joca

      Piano Yamaha: Hugo Fattoruso

      Violão: Geraldo Azevedo

      Contrabaixo: Wagner Dias

      Bateria: Neguinho

      Block, afoxé, bongo, surdo, congas LP e efeitos: Firmino

      Violinos: Giancarlo Pareschi, Alfredo Vidal, José Alves, Bernardo Bessler, João Daltro, Carlos Eduardo, Michel Bessler, Aizik Meilack, Luiz Carlos, Francisco Perrota, Jorge Faini e Paschoal Perrota

      Violas: Frederick Stephany, Arlindo Figueiredo, Hindenburgo Borges e Jesuína Noronha

      Cellos: Marcio Eymard, Alceu de Almeida Reis, Jacques Morelenbaum e Jorge Kundert

    • Palavra de Mulher (Chico Buarque) Letra


      Vou voltar

      Haja o que houver eu vou voltar

      Já te deixei jurando nunca mais olhar pra trás

      Palavra de mulher

      Eu vou voltar

       

      Posso até

      Sair de bar em bar

      Em bar em bar

      Falar besteira e me enganar

      Com qualquer um deitar a noite inteira

      Eu vou te amar

       

      Vou chegar

      A qualquer hora ao meu lugar

      E se uma outra pretendia

      Um dia te roubar

      Dispensa essa vadia

      Eu vou voltar

       

      Vou subir

      A nossa escada, a escada

      A escada, a escada

      Meu amor, eu vou partir

      De novo e sempre feito viciada

      Eu vou voltar

       

      Pode ser

      Que a nossa história seja mais

      Uma quimera

      E pode o nosso teto

      A Lapa, o Rio desabar

       

      Pode ser

      Que passe o nosso tempo

      Como qualquer primavera

      Espera

      Me espera

      Eu vou voltar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Chiquinho de Moraes

      Piano: Cristóvão Bastos

      Violinos: Giancarlo Pareschi (spalla), Aizik Geller, Alfredo Vidal, Bernardo Bessler, Carlos Hack, Francisco Perrotta, João Daltro, Jorge Faini, José Alves, Michel Bessler, Paschoal Perrota e Walter Hack

      Violas: Arlindo Penteado, Frederick Stephany, Hindenburgo Borges e Nelson Machado

      Cellos: Alceu de Almeida Reis, Jacques Morelenbaum, Jorge Kundert e Marcio Malard

    • Dragão Encantado (Tadeu Mathias) Letra


      Dragão de fogo que brilha na escuridão

      E me encandeia

      Amor que faz festa no meu coração

      E me incendeia

       

      Leoa rainha

      Minha tentação

      Você assim incendeia

      O amor do meu coração

       

      Você tem muito encanto

      É uma lenda

      E tá na minha canção

       

      Eu lhe peço um beijo

      “Não dou”

      Ela tá doida para beijar

      Lhe convido a dançar

      “Não vou”

      Mas sei que ela quer rebolar

       

      Deixe o medo de lado morena

      Vem me amar

      Deixe o medo de lado morena

      Vem me amar

       

      Ileaê, lelele, lelele, leleleô

      Ileaê, lelele, lelele, leleleá

      Ileaê, lelele, lelele, leleleô

      Ileaê, lelele, lelele, leleleá


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência, piano Yamaha e DX-7: Zé Américo Bastos

      Guitarra: Zeppa Souza

      Bateria: Elber Bedaque

      Contrabaixo: Jorjão

      Congas LP, bongo, afoxé, guiro, triângulo, soroban e block: Firmino

      Trombones: Moisés do Nascimento e Roberto Marques

      Trompetes: Paulinho, Paulinho Martins e Bidinho

      Sax tenor e flauta: Marcelo Neves

      Sax alto: Leo Gandelman

      Vocal: Elba, Viviane Godoi, Jussara Lourenço, Jurema Lourenço, Jaime Alem, Jurema Cândia, Tadeu Mathias e Lourenço

    • Pisa no Meu Coração (Nando Cordel / Fausto Nilo) Letra


      Comigo você faz amor

      Contigo é pra enlouquecer

      Fico cega de paixão

      Dá pra todo mundo ver

       

      Pisa no meu coração

      Meu amor não vai doer

      Pisa no meu coração

      Meu amor não vai doer

       

      Se você quer eu faço de manhã

      Faço anoitecer

      Fico doido, fico bom

      Faço até chover

       

      Hoje ninguém chora

      Hoje é brincadeira

      Tá chegando a hora

      Tá dando a doideira

       

      Me dá que eu quero ver

      Que gosto tem você

      Me dá que eu quero ver

      Que gosto tem você


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Violão: Hilton Assunção

      Bateria: Jurim Moreira

      Guitarra: Joca

      Contrabaixo: Pipiu

      Congas LP, talk drums e afoxé: Firmino

      Clave: Marcos Amma

      Cowbell: Maurício Mattar

      Vocal: Elba, Viviane Godoi, Jussara Lourenço, Jurema Lourenço, Jaime Alem, Jurema Cândia, Tadeu Mathias e Lourenço

    • Um Bilhete Pro Seu Lua (Gonzaguinha) Participação especial: Gonzaguinha Letra


      Ê meu pai

      Tô sentindo saudades de você

      Como vai

      Essa voz que é a voz do meu sertão?

      Como estão

      O trabalho, os projetos, oi?

      Mando lá um abraço dos netos

       

      Setenta e cinco anos não é pra qualquer besta

      Ainda mais com essa sanfona

      Espalhando sempre a festa

      Cuida bem do coração, liga não

       

      Que o povo tem amor

      Por tudo o que você é

      Que o povo tem amor

      Por tudo o que você é

       

      Vê meu pai

      Inventaram o baião lá no Japão

      Cê vai ver

      Brevemente é moda no Brasil

      Vão mostrar

      Como é que se dança, oi!

      Deixa andar

      Que a gente copia

      A tecnologia amostrou a alegria

      Que tem na tua lua

      Que brilha em pleno dia

      Cuida bem do coração, liga não

       

      Que o povo não esquece

      Tudo que você é

      Que o povo não esquece

      Tudo que você é

       

      E igual ao povo somente Deus

      E você tem

      O povo inteirinho dentro desse coração

      O povo inteirinho dentro desse coração

      O povo inteirinho dentro desse coração


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência, piano Yamaha, DX-7, (cordas) Mirage e acordeom: Zé Américo Bastos

      Bateria: Elber Bedaque

      Guitarra: Zeppa Souza

      Contrabaixo: Pipiu

      Violão 12 cordas: Joca

      Block e xequerê: Bidinho

      Triângulo e claves: Firmino

      Clave: Marcos Amma

      Cowbell: Maurício Mattar

      Vocal: Elba, Viviane Godoi, Jussara Lourenço, Jurema Lourenço, Jaime Alem, Jurema Cândia, Tadeu Mathias e Lourenço

    • O Girassol da Baixada (Jaime Alem) Letra


      Sonhador

      Um menino da baixada plantou

      Um girassol

      E sentou pra esperar

      O sol na rodovia

      Já corria a novidade

      Todo mundo já sabia do menino

      Que plantara uma flor

      No vazadouro de petróleo

       

      Acontece nessa terra

      Onde se plantando tudo dá

      Com os dias se passando

      As sementes vão brotando generosas

       

      Mas o menino da baixada plantou

      Um girassol

      E sentou pra esperar passar

      A chuva que caía todo dia

      Todo dia, todo dia

      Todo sonhador

      O menino não sabia

      Que plantara sobre a lama, a sede, a fome

      A esperança

      De um viver que não se cansa

       

      Na carência, inocência

      Ignorância, violência desses dias tais

      Descobrimo-nos selvagens de um jeito

      Que ofende aos outros animais

      Acontece nessa terra

      Onde se plantando tudo dá

      Vergonha!


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo de base: Jaime Alem

      Arranjo, regência, piano Yamaha e acordeom: Zé Américo Bastos

      Piano Yamaha: Hugo Fattoruso

      Violão Ovation com nylon, violão Ovation com aço e viola 12 cordas: Jaime Alem

      Guitarra: Zeppa Souza

      Contrabaixo: Jamil

      Bateria: Elber Bedaque

      Viola 12 cordas: Joca

      Bock, caxixi e xequerê: Bidinho

      Talk drums, reco-reco e chicote: Repolho

      Triângulo, pandeiros, congas LP, afoxé e tumba: Firmino

      Violinos: Giancarlo Pareschi, Alfredo Vidal, José Alves, Bernardo Bessler, João Daltro, Carlos Eduardo, Michel Bessler, Aizik Meilack, Luiz Carlos, Francisco Perrota, Jorge Faini e Paschoal Perrota

      Violas: Frederick Stephany, Arlindo Figueiredo, Hindenburgo Borges e Jesuína Noronha

      Cellos: Marcio Eymard, Alceu de Almeida Reis, Jacques Morelenbaum e Jorge Kundert

    • A Flor da Magia (Zé Américo / Salgado Maranhão) Letra


      Tambor de crioula

      Baião da alegria

      Debaixo dos pés

      A flor da magia

       

      Tambor de terreiro

      Tambor de folia

      Debaixo da noite

      Suor e energia

       

      Meu peito é um pantanal

      Um córrego de água doce

      A dor, se vem, vira amor

      Acorde sensual

       

      Meu peito é um matagal

      De cheiro verde e canção

      Meu peito é um matagal

      De cheiro verde e canção

       

      Aqui qualquer solidão

      Vira carnaval

      Vira carnaval

      Aqui qualquer solidão

      Vira carnaval

      Vira carnaval

       

      Tambor de crioula

      Clarão luz do dia

      Debaixo do sonho

      O sol principia


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, regência e piano Yamaha: Zé Américo Bastos

      Bateria: Jurim Moreira

      Violão: Hilton Assunção

      Contrabaixo: Pipiu

      Viola 12 cordas: Joca

      Tambores: Marcos Amma

      Tumba, guiro, egg maracas, soroban, madeiras e tambores: Firmino

      Vocal: Elba, Viviane Godoi, Jussara Lourenço, Jurema Lourenço, Jaime Alem, Jurema Cândia, Tadeu Mathias e Marcio Lott

    • Luã (Maurício Mattar / Geraldo Azevedo) Participação Especial: Luã Letra


      Fruta madura me encantou

      Tal doçura de um menino nu

      Salve essa pele

      Salve a cor

      A manhã hoje lambeu céu azul

       

      Céu de Luã

      Fruta feiticeira

      Anjo bom

      Tempo de luz

      Pro meu coração

       

      Que diz assim

      Na canção, na paixão

      Ser feliz é cantar

      Cantar Luã, ê, ô

       

      Molhar os olhos de beijo

      Que ternura, pura flor do amor

      O frio, a febre, dor da dor

      Um leão no foco quente do sol

       

      Sol de Luã

      Fruta feiticeira

      Tempo bom

      Anjo de luz

      Pro meu coração

       

      Que diz assim

      Na canção, na paixão

      Ser feliz é cantar

      Cantar, cantar Luã, ê, ô


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo de base: Joca e Geraldo Azevedo

      Arranjo de cordas e guitarras: Joca

      Piano Yamaha: Hugo Fattoruso

      Violão: Geraldo Azevedo

      Contrabaixo: Wagner Dias

      Bateria: Neguinho

      Egg maracas, efeitos e Luã: Firmino

      Violinos: Giancarlo Pareschi, Alfredo Vidal, José Alves, Bernardo Bessler, João Daltro, Carlos Eduardo, Michel Bessler, Aizik Meilack, Luiz Carlos, Francisco Perrota, Jorge Faini e Paschoal Perrota

      Violas: Frederick Stephany, Arlindo Figueiredo, Hindenburgo Borges e Jesuína Noronha

      Cellos: Marcio Eymard, Alceu de Almeida Reis, Jacques Morelenbaum e Jorge Kundert

sjc-fallback

A vitalidade e Elba Estrela Grande Ramalho é a energia do céu e da terra na veia do coração. Traz do nordeste a garra, bota da África a farra, mais o caos luminoso das metrópoles. São milhões de imagens e planos que se processam na informática do peito para gerar amor, música, alegria e encantamento. Por isso, nela, é tudo assim surpreendentemente inusitado: quando se esperava do norte vem do sul, quando se busca no rio vem do sal. Ser uma grande artista é quase um carma. Uma determinação suprema e inafiançável. E Elba sabe disso. Estrela cigana que se parte em mil pedaços de luz. Uns bebem da sua presença, outros comem da sua magia, e muitos acordam no seu toque. E sendo assim ávida de acordes a sua vida, ela também vai gravando pela estrada os gemidos e as paixões anônimas. Vai costurando dentro de si essa contribuição milionária das multidões, que faz de cada um dos seus trabalhos uma pérola de múltiplas cores. O disco Fruto é um sopro radical na direção do que será a MPB a partir de 88: renovação e reconquista de todos os espaços. Vale também como síntese da geleia geral dos ritmos brasileiros e suas influências, da senzala ao caribe. Faz ainda uma homenagem ao rei Luiz, pai do baião, que há mais de meio século distribui felicidade em doces porções de música. Soma-se a isso o talento e a competência do maestro Zé Américo, compositor, arranjador e fera dos teclados que estrutura o perfil e o sentido de unidade do trabalho, além de ser o produtor deste disco. Os dois na mesma bula, são como osso e medula. Elba, Elbrasil, há zil milhas de amor e sons, cantando e encantando fibra por fibra os corações.

 

Salve-se Quem Puder (Dominguinhos/Fausto Nilo) – Queixa de amor acre-doce para os corações magoados. Neste baião o Domingos dá uma canja, cantando com Elba e vestindo a melodia com sua sanfona brilhante. Traz o Nordeste pra perto. E nessa praia Elba não tem concorrentes. Ninguém igual a ela sabe universalizar o regional e modernizar a tradição, sem trair as características nativas.

 

O girassol da baixada (Jaime Alem) – É um grito de denúncia do pulso aberto da grande urbe. Numa linguagem cinematográfica, Jaime Alem traz o nosso olhar para os detalhes sutis da cidade grande. Para as pequenas porções de vida que vão surgindo indiferentes à violência e à desesperança. Elba com sua voz de rezadeira cobre de ênfase cada frase da canção, ressaltando a dor e o lirismo selvagens que brotam como girassóis das veias dessangradas da metrópole.

 

Estrela grande (Caetano Veloso) – Essa tem a manha de quem sabe achar sempre um jeito novo de dizer as coisas. De explodir em caetanaves poéticas. A melodia acasala a voz de Elba que se espalha densa e contundente. Percebe-se o esmero, o rigor da cantora em encontrar a maneira adequada, a forma mais cristalinda, para expressar a canção de Caetano Veloso. Porque em se tratando de Caetano e Elba juntos, as palavras não são apenas palavras, são explosões de significados.

 

Luã (Geraldo Azevedo/Maurício Mattar) – Tem gosto de melão. Fruta suave para acalentar Luã. Mala direta de pai para filho. Lábios de mãe lambendo a cria. Música, letra e voz se ajustam como numa súplica de amor. O belíssimo arranjo de Joca também nos leva a esse clima. No contexto do disco ela reflete o recolhimento. Uma fuga para ninar o coração.

 

Doida (Nando Cordel) – Aqui Nando Cordel vai buscar no Caribe fogo e molejo para endoidar os quadris da raça brasileira. Isso marca uma tendência que já vinha sendo seguida por Elba em alguns discos anteriores, um melhor na africanidade do continente. Para nós, uma aproximação revitalizadora com a cultura centro-americana. Para o seu trabalho, uma pitada de molho, num caldeirão de ritmos variados. A letra bastante simples de Nando funciona muito bem nesse tipo de melodia que pega de primeira.

 

Dragão encantado (Tadeu Mathias) – Esse tem o feitiço dos afoxés de Salvador. Foi feita para pular, para explodir no salão, para suar na praça, como todo som que vem da Bahia. Seja de noite, seja de dia, no carnaval, na praia, na folia, vale quem sabe transformar pernas, braços, pélvis e paixão em passaporte para o prazer. Elba conhece esse terreno e se aproveita disso para gerar em nós alegria e cumplicidade.

 

Segredo de menina (Paulo Debétio/Waldir Luz) – Certas canções já nascem prontas pra tocar no rádio. Tem o espírito, a sina, a vocação de ganhar a boca do povo. Segredo de menina tem esse feeling. É a cara de Elba no ritmo e na linguagem poética. Debétio utiliza um discurso mais urbano, com motivos que representam o dia-a-dia da cantora, fugindo, assim, do jargão comum dos baiões tradicionais que falam sempre de xamego, remelexo, poeira no pé, e dedo no fole. Aqui a voz de Elba entra suave e contrasta-se com o pique do lindo arranjo de Zé Américo, criando uma doce explosão.

 

Um bilhete pro seu Lua (Gonzaguinha) – Sendo esse disco, também, uma homenagem ao Rei Luiz Gonzaga, que considera Elba Ramalho a filha que ele não teve, tinha que ter alguma música da família. Nesse caso vem do filho Gonzaguinha parabenizando o pai pelos seus 75 anos de vida. Vida toda dedicada a alegrar o coração do povo, das cidades aos recantos mais ocultos do Brasil, onde a própria Elba é cria desse alastramento de beleza. Assim, ela se encarrega, com sua interpretação emocionada, de dar ainda mais vitalidade à canção de Gonzaguinha e botar adrenalina em nossas veias.

 

A flor da magia (Zé Américo Bastos/Salgado Maranhão) – Tem cheiro do axé que vem da terra. É o grito musical dos negros que vieram do Daomé para habitar o Maranhão. O toque do tambor, em si, já representa um diálogo com as divindades do cosmo, o discurso dos orixás. Ao tornar sua essa proposta, Elba sela um pacto com a negritude e se firma, cada vez mais, como a grande diva da canção brasileira no que ela tem de mais lúdico. Recebe o diamante bruto da cultura popular e o devolve lapidado, gerando emoções novas e enriquecendo o universo da percepção geral.

 

Pisa no meu coração (Nando Cordel/Fausto Nilo) – A parceria é instigante. A melodia é irresistível, do jeito que a Elba gosta. O título da música já dá a dica do que pode ser: ritmo e sensualidade na mesma frequência. A canção preenche exatamente o espaço desse toque sensual, um dos geradores da grande empatia de Elba como público. O casamento é perfeito. A alegria é geral.

 

Palavra de mulher (Chico Buarque) – Desde Ave de prata o talento de Chico tem presença certa no trabalho de Elba. Ela mesma já disse muitas vezes, que ninguém como ele sabe compor tão divinamente bem, se colocando no papel da mulher. Espelhando suas alegrias e suas dores mais secretas, numa sociedade onde a opressão machista tem nuances cada vez mais requintadas. Desta vez ele não faz por menos e traduz em sua canção o sentimento da ausência e do retorno. Na voz de Elba, a música ganha força motriz, movimento, plasticidade e sobretudo o sabor da vivência de quem encarna em si própria os papéis de mulher, cantora e atriz.

 

 

Salgado Maranhão


@parent