Flor Da Paraíba

1998

Flor Da Paraíba
    • Chameguinho (Cecéu) Letra


      Meu bem castiga nesse passo miudinho

      Faz aquele chameguinho

      Não dê bola pra ninguém

      Você é meu café com leite

      É o queijo dentro do meu pão

      É o chão pra que eu me deite

      Que ascende seu coração

      Meu bem você me sacuda

      Me acuda e me dê um nó

       

      Mostre pra esse povo que você é quente

      Mostre pra essa gente que você é meu xodó

      Mostre pra esse povo que você é quente

      Mostre pra essa gente que você é meu xodó

       

      Quero ver o povo todo se babando

      Quero ver você dançando comigo num canto só

      Com aquele chamego de fazer roer

      Pra todo mundo ver, do chão levantar pó


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e guitarra: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Tum-Tum-Tum (Ari Monteiro /Cristóvão de Alencar) Letra


      No tempo que eu era só

      Que não tinha amor nenhum

      Meu coração batia mansinho

      Tum, tum, tum

       

      Depois veio você

      O meu amor número um

      E o meu coração pois se a bater

      Tum, tum, tum, tum, tum, tum

       

      Mulata no coco

      (Oscar Barbosa / Geraldo Nunes)


      Olha o balanço das cadeira dela

      Olha o balanço das cadeira dela dá

      Olha o balanço das cadeira dela

      Fiz esse coco só pra ela balançar

       

      Quando eu gritei o coco

      A mulata se espalhou

      Com o chiado da sandália dela

      A poeira levantou

       

      A moçada lhe cobriu de palmas

      Ela em cena tornou a voltar

      Com satisfação voltei a cantar esse coco

      Que eu fiz só pra ela balançar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Robertinho de Recife e Luiz Antônio

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Cavaco: Robertinho de Recife

      Sanfona: Chiquinho Chagas e Valdeci Araújo

      Teclados: Luiz Antônio

      Bateria: Arthur Cesar

      Clarinete: Juarez Araújo

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Face (Chico César / Itamar Assumpção / Zeca Baleiro) Letra


      Eu dou a minha face pra bater

      Mas se quiser pode beijar

      Vem dentro de mim, vem fora de si

      Meu amor, meu amor vem cá

      Vem dentro de mim, vem fora de si

      Meu amor, meu amor vem cá

       

      Menina você me alucina

      Mas a minha sina é te desejar

      Desejo como o rato

      O queijo como a boca

      O beijo meu amor desejar

      Desejo como o rato

      O queijo como rato

      O beijo como a boca

      Desejo meu amor vem cá

       

      Morena, vem da minha pena

      Minha amada Madalena

      Minha cruz, meu ar

      Entenda que amar

      É desejar beijar

      Menina desejo seu beijo

      Entenda que amar

      É desejar beijar

      Morena, meu amor, vem cá


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e guitarra: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Teclados: Luiz Antônio

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Lavadeira do Rio (Lenine / Bráulio Tavares) Participação especial: Lenine Letra


      A lavadeira do rio

      Muito lençol pra lavar

      Fica faltando uma saia

      Quando o sabão se acabar

       

      Mas corra pra beira da praia

      Veja a espuma brilhar

      Ouça o barulho bravio

      Das ondas que batem na beira do mar

      Ouça o barulho bravio

      Das ondas que batem na beira do mar

       

      Ê, ô, o vento soprou

      Ê, ô, a folha caiu

      Ê, ô, cadê meu amor

      Que a noite chegou fazendo frio

       

      Ô Rita tu sai da janela

      Deixa esse moço passar

      Quem não é rica e é bela

      Não pode se descuidar

       

      Ô Rita tu sai da janela

      Que as moças desse lugar

      Nem se demora a donzela

      Nem se destina a casar

      Nem se demora a donzela

      Nem se destina a casar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Lenine

      Viola: Robertinho de Recife

      Sampler: Luiz Antônio

      Percussão: Paulinho He-Man

      Vocal: Tadeu Mathias

    • Aroma (Dominguinhos / Nando Cordel) Letra


      Eu gosto do aroma do teu corpo

      Do beijo cristalino e sedutor

      Da pele que é macia feito seda

      Teu jeito cobiçado o meu amor

       

      Eu gosto quando és um passarinho

      E vê na minha boca um sapoti

      Eu passo a vida inteira nos teus braços

      O que você quiser eu faço

      Quero ver você feliz

      Eu passo a vida inteira nos teus braços

      O que você quiser eu faço

      Quero ver você feliz

       

      Que loucura teu amor

      Ai, ai, ai

      Ninguém pode imaginar

      Ai, ai, ai

      É demais o teu molejo

      A delícia do teu beijo

      Faz a gente desmaiar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Robertinho de Recife e Dominguinhos

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona (solo): Dominguinhos

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Teclados: Luiz Antônio

      Bateria: Arthur Cesar

      Guitarra: Robertinho de Recife

      Zabumba: Dio de Araújo

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • A Letra I (Zé Dantas / Luiz Gonzaga) Letra


      Vai cartinha fechada

      Não deixa ninguém te abrir

      Àquela casa caiada onde mora a letra I

      Existe uma cacimba do rio que o verão secou

      Meus óio chorou tanta mágoa

      Que hoje sem água me responde a dor

      Meus óio chorou tanta mágoa

      Que hoje sem água me responde a dor

       

      Ai, diz que o amor

      Fumega no meu coração

      Tal qual a fogueira

      Das noites de São João

       

      Que eu sofro por viver sem ela

      Tando longe dela só sei reclamar

      Eu vivo como um passarinho

      Que longe do ninho só pensa em voltar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e guitarra: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Pra Ninar Meu Coração (Maciel Melo / Luis Fidélis) Letra


      Tô esperando por você a qualquer hora, amor

      Pode bater na porta do meu coração

      Tirei a chave, eu arranquei a fechadura

      Pra ver você de encontro à minha solidão

       

      Vem depressa que eu já estou contando as horas

      Tic-tac no relógio da paixão

      Vem cantar ao meu ouvido aquela música

      Maravilhosa pra ninar meu coração

       

      Vem, vem, vem matar a minha sede

      Vem, vem, vem cuidar do meu amor

      Vem, vem, vem armar a tua rede

      Que no meu peito tem um par de armador


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e guitarra: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Pau-de-arara é a Vovozinha (Gordurinha) Letra


      Vim da Bahia pro Rio de Janeiro

      Pra ganhar dinheiro, desaforo não

      Pau de arara é a vovozinha

      Eu só viajo é de avião

      Pau de arara é a vovozinha

      Eu só viajo é de avião

       

      Humorista de almanaque

      Aprendiz de gozador

      Eu vou lhe levar na Bahia

      Você vai cair duro lá em Salvador

       

      Vai escorregar no petróleo

      Vou lhe entupir de cacau

      Se chegar falando em gíria

      Você vai entrar no pau

       

      Depois ô cabra da peste

      Não me diga que o Nordeste só tem cabra mau

      Depois ô cabra da peste

      Não me diga que o Nordeste só tem cabra mau


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e cavaco: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Sax: Juarez Araújo

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Me Pegue pra Chamegar (Tadeu Mathias) Letra


      Um chamego desses só é bom contigo

      Chegue logo meu pretinho, és o meu amor

      Tu és o bem bom da minha vida

      Eu sou tua querida, tua pequenina flor

       

      Eu sou

      Eu sei que sou o seu amor

      Eu vou

      A noite toda com você

      Nesse chamego arrochado

      Que me deixa louca de tanto prazer

      Quase perco o juízo quando você me abraça

      Nego, você me laça com essa sua dança

       

      Que é um chamego

      É um chamego, nego

      É um chamego

      É um chamego, nego

      É um chamego

      Que me pega bem cedo

      É mexido, é chamego

      Me pegue pra chamegar

       

      Me pegue, me pegue pra chamegar

      Me pegue, me pegue pra chamegar

      Me pegue, me pegue pra chamegar

      Pegue devagar

      Me pegue pra chamegar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e guitarra: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Teclados: Luiz Antônio

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • São Xangô Menino (Carlinhos Brown) Letra


      E hoje é o aniversário de São João

      E hoje é o aniversário de São João

      Vamos comer canjica, vamos soltar balão

      Que hoje é o aniversário de São João

       

      São Xangô menino

      Carrega o carneiro no peito

      A mando do amado

      Comando uniperfeito

      A mando do amado

      Comando uniperfeito

       

      Tenho fogo na goela

      Só quentão para o cantar

      É festa na ruela

      No paiol do varandar

       

      As moças da fazenda

      Vencem o seu que fazer

      Vamos pagar a prenda

      No licor do bem querer

       

      Sanfoneiro rindo

      Carrega a sanfona no peito

      Zabumba é Pedro

      E o triangueiro é Tonho Casamenteiro


      FICHA TÉCNICA:

      Concepção musical: Carlinhos Brown

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Cavaco e guitarra: Robertinho de Recife

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

    • Casa, Comida e Paixão (Dominguinhos / Fausto Nilo) Letra


      Lá se vai o meu amor

      Levando uma grande saudade

      Nas asas de um avião

      No horizonte a fronteira da liberdade

      Riqueza e felicidade

      Cidades de outro sertão

       

      Labirinto do tempo, sou teu passageiro

      Viajo em meu próprio estrangeiro

      Pra onde esse amor me levar

      Vou no deserto criar um jardim

      E no oceano fundar um país

      E num futuro feliz eu só penso em voltar

       

      Felicidade

      Momento da vida que voa

      Nos braços de uma pessoa

      Que a gente nem pensa em deixar

       

      Tarde de vento nas flores do mato

      O tempo levou seu retrato

      Deixou os meus olhos no chão

      Juro que meu coração nem sabia

      O brinquedo da nossa alegria

      Era casa, comida e paixão

       

      O seu nome ainda hoje eu escuto na rua

      Mas saiba que o sol continua

      Batendo no mesmo lugar

      Ou será que você se esqueceu de mim

      Que a nossa saudade é tão ruim

      Que o melhor remédio é cantar?


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Luiz Antônio

      Sanfona: Dominguinhos

      Violão: Geraldo Azevedo

      Guitarra portuguesa: Robertinho de Recife

    • Zé Esteves (Caetano Veloso) Letra


      Ai, quando eu lembro aquele beijo, aquele abraço

      Longe no tempo e no espaço

      Sem momento e sem lugar

      O sentimento no meu peito dá um laço

      Que eu não sei como desfaço

      E vou cantando devagar, ai

      Vou cantando devagar

      Mas quando eu pego a cantar, viu

      Dá vontade de chorar

       

      A vida passa e a gente se encontra sozinho

      Sem entender o caminho que tem pra seguir

      Algum momento de carinho fez sentido

      Mas agora está perdido, não há nada aqui

      Quem ergue a taça, come a fruta

      E bebe o vinho sem pensar

      Que virá logo a saudade pra ficar?

      Que vontade de chorar, viu

      Só vontade de chorar

      Que vontade de chorar, ai

      Que vontade de chorar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e violão: Marcos Arcanjo

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Jacaré

      Sanfona: Severo

      Violino: Paul de Castro

      Flauta: César Michiles

    • Meu Sublime Torrão (Genival Macedo) Letra


      Num recanto bonito do Brasil

      Sorri a minha terra amada

      Onde o azul do céu é mais cor de anil

      Onde o sol tão quente

      Parece mais gentil

       

      Paraíba meu amor

      (Chico César)


      Paraíba meu amor

      Eu estava de saída, mas eu vou ficar

      Não quero chorar

      O choro da despedida

      O acaso da minha vida um dado não abolirá

       

      E virás bem dentro de mim

      Como um São João sem fim

      Queimando o sertão

      E a fogueirinha, lanterna de laser

      Que ilumina os festejos do meu coração

       

      Hoje eu mando um abraço pra ti, pequenina

      Paraíba hospitaleira

      Morena brasileira

      Do meu coração


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e viola: Robertinho de Recife

      Percussão: Paulinho He-Man

      Baixo: Faísca Bass

      Sanfona (introdução): Dominguinhos

      Sanfona: Valdeci Araújo

      Bateria: Arthur Cesar

      Vocais: Tadeu Mathias, Roberta Little, Jussara Silveira e Jussara Lourenço

sjc-fallback

FLOR DA PARAÍBA

Quando Elba me contou que chamaria seu novo trabalho – em fase de gravação – de Flor da Paraíba – por ser ele completamente nordestino, e por conta de uma dedicatória minha para ela na altura de sua chegada ao Rio, fiquei muito feliz. Primeiro por Elba lembrar-se de tal fato, segundo, porque ao longo de sua carreira, impar e fulgurante, ela só fez confirmar esse título, reafirmando-se como maior força da natureza nordestina em cena na MPB. Repito, portanto, a minha dedicatória: para Elba Ramalho, Flor da Paraíba, o carinho de Caetano Veloso.

 

FULÔ PARABÓLICA

Lá no fundo dos quintas da memória – onde raízes migram para as raridades de chão –, vem este canto pão de mesas sempre fartas. Grande Ser Tão: Rosa! Guimarães sabia: “o sertão está em toda a parte... é onde o pensamento se forma mais forte que o poder do lugar. Sertão é dentro da gente.”

Este lugar universo dentro/fora de Elba, soando sua aldeia original. Fortes Ramalhos frondosos em toda a pARTE o poder transmutador do sentimento vibra, se firma, qual marca umbuzeiro florido a voz da paisagem quase deserta. A caatinga arde cheiro bom de baião pelas brenhas do invisível. Tem xique-chi na canção popular e jeito da benção de Luiz sorrido generoso atrás de moita na lua imaginária, querendo ainda que a “filha postiça” cante, dê corpo a seu espírito no Eterno. O Rei quer que ela continue seu vasto mote, bote sinceridade Januária no digital. Quer do laser, sons vertendo igual uma chuva primavera: aquela que levanta chote-poeira deixa almas secas com gostos de novidades e viços.

Elba Ramalho quando ousa baiões, en.canta toda: corpo e alma vivificando o chão batido do céu, realçando o estrelaR em flor da Terra. Exalam essências e a claridade sabida por Guimarães Rosa: “...aprender a viver é o que é o viver mesmo...”. Coisas que Gonzaga dedilhava de có e salteado. Cartilha desperta de sons que Elba emana pelo Dom da Verdade. Sabedoria plena de luzir o poder transcendente dos lugares: inteiros e sanfônicos; totais e triangulares; intensos e zabumbicos. O tudo pro Todo e para todos. Por isso ELBA é assim: imensa e rara.

 

Flor da Paraíba – faixa a faixa

Elba Ramalho não é besta não, escolheu o melhor repertório vivencial para regar sua Flor da Paraíba, um CD onde fica muito à vontade na casa dos sentimentos nordestinos.

Deitada numa rede de sabedorias saborosas, que vão desde a tradição movida a fogueira de “um São João sem fim”, às chamas das luminosas novidades contemporâneas de “lanternas de laser” – cito Chico César em Paraíba meu amor – Elba faz resgates e redescobertas fundamentais:

Elba optou pelas tradições de xotes e baiões impecáveis:

E chega daí, experiente e destrada, a inusitada parceria de um nortista – Zeca Baleiro –, um nordestino – Chico César –, um paulista – Itamar Assumpção –, para iluminar a pele singular de Face ou ao aprimorar-se plural, dentro do ótimo arranjo de Lavadeira do rio no coco de Lenine e Bráulio Tavares. Nesta música o intrigante ritmo mastigado dos vocais, dão asas ao mascado tom das sonoridades percussivas, criando o momento mais solto e inventivo do CD.

É aí que a Flor da Paraíba abre as generosas pétalas para florar outras incomuns preciosidades:

Tudo isso desemboca na linda transparência confessional de Zé Esteves de Caetano Veloso, e também na emocionante colagem de Paraíba meu amor, do conterrâneo Chico Cesar. Elba a introduz com um hino do seu estado de espírito paraibano, Meu sublime torrão, mixando-a com a conhecida Paraíba, dando força e lealdade a raridades vastas das consistentes raízes.

Flor da Paraíba, afirma a cantora, mensageira de uma alegria sem par. Juntaram-se a ela músicos que são o que tocam, não retocam a realidade musical, e dão fidelidade rítmica a cada xote e baião para que este CD pulse coeso e íntegro dentro de sua proposta conceitual.

Obs.: Pau-de-arara é a vovozinha, Elba só viaja em boas companhias neste imenso avião de sonoridades brasileiras, cada dia mais irreversivelmente universais.

 

Bené Fonteles

@parent