Qual O Assunto Que Mais Lhe Interessa?

2007

Qual O Assunto Que Mais Lhe Interessa?
    • Gaiola da Saudade (Jam da Silva / Maciel Salu) Letra


      Vivo andando no mundo

      Na gaiola da saudade

      Igualmente um passarinho

      Voando solto nos ares

       

      Querendo água e comida

      Pra matar minha vontade

      Deixo minha terra chorando

      Pra morar noutra cidade

       

      Para que sentir a dor?

      Para que se tê-la?

      O sol queima, racha a terra

      E a lua clareia

      Para que sentir a dor?

      Para que se tê-la?

       

      Tempo bom foi no passado

      Na época do meu avô

      O homem tá destruindo

      O que a natureza criou

       

      Planta semente na terra

      Espera a chuva e não cai

      Tão aborrecendo a Cristo

      Por causa de tudo isso

      Tempo bom ninguém vê mais

       

      Na estação pego um trem

      Sigo firme na estrada

      A bagagem é minha roupa

      E a rabeca afinada

       

      Vem a noite, não dá sono

      Na madrugada cochilo

      Vejo a chegada do dia

      Não sei qual o é o meu destino


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Yuri Queiroga e Tostão Queiroga

      Ganzá, lata, alfaia, zabumba, ilu e darbuka: Lucas dos Prazeres

      Cavaco, guitarra, baixo e programação: Yuri Queiroga

      Bateria: Tostão Queiroga

      Clarinete e flautas: Dirceu Leite

      Violão de nylon: Marcos Arcanjo

    • Ave Anjos Angeli (Jorge Ben Jor) Participação especial: A Trombonada Letra


      Verdade, amor, sabedoria, felicidade

      Síntese, clareza, confiança, abundância

      Ação correta, justiça, renascimento

      Beleza, harmonia

      Força, vitória, glória, paz

      Comunicação e alegria

       

      Anjo, anjo, anjo, anjo, anjo

      Minha fé me faz a cabeça

      Ela me faz com certeza

      Minha fé me faz a cabeça

      Ela me faz com certeza

       

      Senhora das águas

      Senhora dos ventos

      Senhora das flores

      Senhora dos amores

      Dá licença deu tocar nesse lugar

      Dá licença deu cantar nesse lugar

      Quero tocar pros anjos

      Quero cantar pros anjos

       

      Seraphim, cherubim

      Cherubim, seraphim

      Seraphim, cherubim

      Cherubim, seraphim

       

      Throni

      Dominatione

      Virtutes

      Potestates

      Principatus

      Archangeli

      Angeli


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga e Yuri Queiroga

      Arranjo de metais e trombone: Nilson Amarante

      Trombones: A Trombonada (Nilsinho Amarante, Adonis Garcia, Esli Lino, Adelson Lins e Junior Cebolinha)

      Bateria: Tostão Queiroga

      Guitarras e baixo: Yuri Queiroga

      Violão: Marcos Arcanjo

      Ganzá, tamborim, repique de mão, pandeiros, ilu, agogô repique de baqueta e surdo: Lucas dos Prazeres

    • Noite Severina (Lula Queiroga / Pedro Luis) Letra


      Corre calma severina noite

      De leve no lençol que te tateia a pele fina

      Pedras sonhando pó na mina

      Pedras sonhando com britadeiras

      Cada ser tem sonhos a sua maneira

      Cada ser tem sonhos a sua maneira

       

      Corre alta severina noite

      No ronco da cidade uma janela assim acesa

      Eu respiro seu desejo

      Chama no pavio da lamparina

      Sombra no lençol que tateia a pele fina

      Sombra no lençol que tateia a pele fina

       

      Ali tão sempre perto e não me vendo

      Ali sinto tua alma flutuar do corpo

      Teus olhos se movendo sem se abrir

      Ali tão certo e justo e só te sendo

      Absinto-me de ti, mas sempre vivo

      Meus olhos te movendo sem te abrir

       

      Corre solta suassuna noite

      Tocaia de animal que acompanha sua presa

      Escravo da sua beleza

      Daqui a pouco o dia vai querer raiar

      Daqui a pouco o dia vai querer raiar

      Daqui a pouco o dia vai querer raiar

      Daqui a pouco o dia vai querer raiar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga e Yuri Queiroga

      Triângulo, moringa, lata com vassoura e agogô: Jam da Silva

      Panelas indianas, programações, violão, baixo e guitarras: Yuri Queiroga

      Cello: Lui Coimbra

      Bateria eletrônica, cajon FX, caxixi e programações: Tostão Queiroga

      Violão intro: Lucky Luciano

      Violão de aço: Marcos Arcanjo

      Acordeom delay: Lulinha Alencar

    • Rua da Passagem (Trânsito) (Lenine / Arnaldo Antunes) Participação especial: Maestro Spok Letra


      Os curiosos atrapalham o trânsito

      Gentileza é fundamental

      Não adianta esquentar a cabeça

      Não precisa avançar no sinal

       

      Dando seta pra mudar de pista

      Ou pra entrar na transversal

      Pisca alerta pra encostar na guia

      Pára brisa para o temporal

       

      Já buzinou, espere, não insista

      Desencoste o seu do meu metal

      Devagar pra contemplar a vista

      Menos peso do pé no pedal

      Não se deve atropelar cachorro

      Nem qualquer outro animal

       

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual

       

      Motoqueiro, caminhão, pedestre

      Carro importado, carro nacional

      Mas tem que dirigir direito

      Para não congestionar o local

       

      Tanto faz você chegar primeiro

      O primeiro foi seu ancestral

      É melhor você chegar inteiro

      Com seu venoso e seu arterial

      A cidade é tanto do mendigo

      Quanto do policial

       

      Travesti trabalhador turista

      Solitário família casal

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual

       

      Sem ter medo de andar na rua

      Porque a rua é o seu quintal

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual

       

      Boa noite, tudo bem, bom dia

      Gentileza é fundamental

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual

       

      Pisca alerta pra encostar na guia

      Com licença, obrigado, até logo, tchau

      Todo mundo tem direito à vida

      E todo mundo tem direito igual


      FICHA TÉCNICA:

      Sax soprano, tenor e barítono: Maestro Spok

      Programação (sons de carro), ilu, pandeiro, agogô, ganzá, caxixi, baixo e programação eletrônica: Yuri Queiroga

      Lata: Lucky Luciano

      Viola de 12 cordas: Marcos Arcanjo

      Bandolim de 10 cordas: Hamilton de Holanda

      Vocais: Nena Queiroga, Ylana Queiroga e Vanessa Miranda

      Voz (criança): Yan Queiroga

    • Tempos Quase Modernos (Qual o Assunto que Mais lhe Interessa) (Roberto Mendes / Capinan) Participação especial: Gabriel o Pensador e Frejat Letra


      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

       

      Além da vida in vitro feita nas coxas

      E vivida às pressas

       

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

       

      A empresa da guerra

      A mais-valia da morte

      A última sentença

      A violência nas ruas

      O bio terrorismo

      A soja transgênica

       

      Clonagem da mente

      Dos órgãos vitais

      A nova ciência

      Moral decadente

      Tradição milenar

      Outra tendência

       

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

       

      Suicídio, livre arbítrio

      Aborto consentido

      Eutanásia

      A dívida congênita

      O quinto partido

      O tempo das máquinas

       

      Monarquia, playback

      A república inventa

      O eclipse lunar

      A decadência moral

      A calota polar

      O império dos egos

      O vidente cedo

      O cachimbo de Édipo

      A paixão de Romeu

       

      Colapso dos mares

      Crianças sem lares

      A ausência de Deus

       

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

       

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      A assembleia dos lobos

      O juízo dos loucos

      A vontade dos céus

      A escala econômica em que o crime compensa

      Qual é o assunto em que mais você pensa?

      Sexo, amor, culpa ou inocência

      A dieta do Papa, o segredo de Fátima

      A última penitência

      Qual é o assunto em que mais você pensa?

      Qual é o assunto que mais lhe interessa?

      Qual é o assunto que mais lhe interessa?

      Qual é o assunto que mais você pensa?

       

      Bom dia Vietnã

      Boa noite Bagdá

      Adeus Sherazade

      Qual o assunto que mais lhe interessa?

      Qual a verdade em que mais você pensa?

      O fim da natureza

      E o final da história

      Glória, glória, glória, glória, glória, glória?

       

      Apenas uma canção invento agora

      Um poema

      A madrugada é silêncio, a dor acalenta

      Esquece o início de tudo e o fim dos tempos

      Deita no colo de tua amada

      Onde da misteriosa expansão do nada

      O universo se alimenta

       

      Qual é o assunto em que mais você pensa?

      Qual a verdade em que mais você sente?

      Qual a mentira em que mais acredita?

      Qual é o nome que você mais grita?

      Qual é a força que mais te enfraquece?

      Qual é a fome que mais te alimenta?

      Qual é o prato que mais te apetece?

      Qual é o mapa que mais te orienta?

      Qual é o jogo que mais você ganha?

      Qual é o ganho que mais te enriquece?

      Qual é a perda que mais você chora?

      Qual é a casa em que mais você mora?

      Qual é a frase que mais você fala?

      Qual é a fala que mais você cala?

      Qual é o assunto que mais você teme?

      E qual é o tema que mais ignora?

      Qual o assunto que mais lhe interessa?


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Yuri Queiroga e Tostão Queiroga

      Baixo e programação: Yuri Queiroga

      Guitarras e teclados: Frejat

      Bateria: Tostão Queiroga

      Programações e teclado: Fabrício Melo

    • A Natureza das Coisas (Accioly Neto) Letra


      Se avexe não

      Que amanhã pode acontecer tudo

      Inclusive nada

      Se avexe não

      Que a lagarta rasteja até o dia

      Em que cria asas

       

      Se avexe não

      Que a burrinha da felicidade nunca se atrasa

      Se avexe não

      Amanhã ela para na porta da sua casa

       

      Se avexe não

      Toda caminhada começa no primeiro passo

      A natureza não tem pressa

      Segue seu compasso

      Inexoravelmente chega lá

       

      Se avexe não

      Observe quem vai subindo a ladeira

      Seja princesa ou seja lavandeira

      Pra ir mais alto vai ter que suar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Yuri Queiroga e Tostão Queiroga

      Guitarra e baixo: Yuri Queiroga

      Bateria: Tostão Queiroga

      Triângulo, pandeiro, caxixi, zabumba e shaker: Anjo Caldas

      Guitarra: Marcos Arcanjo

      Acordeom: Toninho Ferragutti

      Violão e cello: Lui Coimbra

      Vocais: Elba Ramalho, Nena Queiroga, Ylana Queiroga e Vanessa Miranda

    • Argila (Carlinhos Brown) Participação especial: Hamilton de Holanda Letra


      Uganda, cubana, ipanamana

      Baiana, Luanda, nada Ruanda

      Kinshaze, manga, banana

       

      Vinha rindo e circulando

      Sobre tudo o cobertor

      Do teu olhar verreu meus olhos

      E do teu olho joio

       

      Uma gota de orvalho

      Que era vidro se quedou

      Vivendo em despedace

      E o coração coador

       

      Sorriu

      Vexado de amargor e se pintou

      Na lama da lagoa

      Pra à toa correr, ê...

       

      Se for feito de argila

      Seis enfeites te darei

      Flores não andam em dúzia

      Só foi uma que eu roubei

       

      Sorriu

      Vexado de amargor e se pintou

      Com a lama da lagoa

      Coa, voa

       

      Ê zuzuê

      Ê zum, zum, zum

      Ê zuzuê

      Zum

       

      Solidão anda de muda

      Sei pra sempre te amarei

      Procurei por essas curvas

      Quem no Tororó deixei, ê...


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga e Yuri Queiroga

      Bandolim de 10 cordas: Hamilton de Holanda

      Pratos com vassouras e tambor FX: Tostão Queiroga

      Guitarra, cavaquinho, violão e baixo: Yuri Queiroga

      Guitarras: Paulo Rafael

      Pote, shaker, triângulo, guisos, bacia de água e conduíte: Jam da Silva

    • Boi Cavalo de Tróia (Pedro Osmar / Paulo Ró) Participação especial: Pedro Osmar Letra


      O boi, o boi, o boi, o boi

      O boi, o boi, o boi, o boi

      O boi tá na rua

      O boi tá na sua

       

      Vem com o povo

      Dançar no terreiro do rei

      O boi no meio do povo vem saber

      Qual é a do rei?

      Eu sei!

      Qual é a dos três?

      Eu sei!

       

      Onde se chega pela rua

      O boi Cavalo de Tróia vem cuidadoso

      Cantar sua apatia

      Assumir seu lugar, definir sua vida

      O boi tá na rua, o boi tá na sua

      O boi tá na rua

       

      O boi tá na rua (em passeata)

      O boi tá na rua (em passeata)

      O boi tá na rua (em passeata)

      O boi tá na rua


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga e Yuri Queiroga

      Viola de 10 cordas, viola caipira e vozes: Pedro Osmar

      Caxixi, ilu, alfaia, pandeiros, tamborim, guiro e palmas: Jam da Silva

      Caixa e palmas: Tostão Queiroga

      Sapateado, cavaquinho e violão FX: Yuri Queiroga

      Arranjo de sopros, flauta, barítono, sax barítono, flauta transversa e pífano: Carlos Malta

      Matraca, pandeirão, ilu, tambor, alfaia, caixa de guerra, caracaxá e preaca: Lucas dos Prazeres

      Vocais: Elba Ramalho, Nena Queiroga, Ylana Queiroga, Vanessa Miranda, Anjo Caldas, Marcos Arcanjo, Tostão Queiroga, Pedro Osmar, Any Guedes e Millene Ramalho

    • Último Minuto (Lula Queiroga) Participação especial: Lula Queiroga Letra


      Nunca mais eu quero ouvir falar Hitler

      E nem quero ouvir dizer Pinochet

      Sai pra lá Sadan

      Vai de retro Stalin, Idi Amin

      Gente ruim

       

      Deixa que eu chuto

      Deixa o último minuto da história pra mim

      Deixa que eu chuto

      Deixa o último minuto da história

       

      Nunca mais eu digo o nome Reagan

      Livrai-nos do Mao Tsé Tung

      Me deixa em paz Milosevic, Yeltsin

      Gente ruim

       

      Sonhei que no juízo final eu era Deus

      O Deus número bilhão e tal

      E a imensa maioria da humanidade

      Tava ali pra condenar um por um

      Cada cara de pau que fez mal a moça

      Mãe, chamada Terra

      Essa menina de cara roxa

      Vítima brutal da covardia

      Dessa gente ruim

       

      Nunca mais eu quero ouvir falar Hitler

      E nem quero ouvir dizer Pinochet

      Sai pra lá Sadan, vai de retro Bush

      Sai pra lá Sadan, vai de retro


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga, Yuri Queiroga e Lucky Luciano

      Surdo, tambor de corda, repique, caixa, guiro, shaker, agogô e triângulo: Jam da Silva

      Guitarras, programações e teclados: Yuri Queiroga

      Bateria e programações: Tostão Queiroga

      Baixo, teclados e guitarras: Lucky Luciano

      Vocais: Elba Ramalho, Tostão Queiroga, Jorge Nova, Thiago Ramalho e Lula Queiroga

    • A Dança das Borboletas (Alceu Valença / Zé Ramalho) Letra


      As borboletas estão voando

      A dança louca das borboletas

      As borboletas estão girando

      Estão virando a sua cabeça

       

      Quem vai voar

      Não quer dançar

      Só quer voar

      Avoar

       

      Quem vai girar

      Não quer cair

      Só quer girar

      Não caia

       

      E as borboletas estão invadindo

      Os apartamentos, cinemas e bares

      Esgotos e rios e lagos e mares

      Em um rodopio de arrepiar

       

      Derrubam janelas e portas de vidro

      Escadas rolantes e das chaminés

      Mergulham e giram em meio à fumaça

      É como um arco-íris no centro do céu


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e bateria: Tostão Queiroga

      Guitarras, baixo e guitarras FX final: Yuri Queiroga

      Pandeiros, guiro, triângulo, jonjo e caxixi: Anjo Caldas

      Guitarras: Luã Mattar

      Acordeom: Toninho Ferragutti

      Guitarra: Paulo Rafael

      Baje, djembê, alfaia, ilu, ganzá, pote, talking drums e surdo: Lucas dos Prazeres

    • As Forças da Natureza (João Nogueira / Paulo César Pinheiro) Letra


      Quando o sol

      Se derramar em toda sua essência

      Desafiando o poder da ciência

      Pra combater o mal

       

      E o mar

      Com suas águas bravias

      Levar consigo o pó dos nossos dias

      Vai ser um bom sinal

       

      Os palácios vão desabar

      Sob a força de um temporal

      E os ventos vão sufocar

      O barulho infernal

       

      Os homens vão se rebelar

      Dessa farsa descomunal

      Vai voltar tudo ao seu lugar

      Afinal

       

      Vai resplandecer

      Uma chuva de prata do céu vai descer, lá, laiá

      O esplendor da mata vai renascer

      E o ar de novo vai ser natural

       

      Vai florir

      Cada grande cidade o mato vai cobrir

      Das ruínas um novo povo vai surgir

      E vai cantar afinal

       

      As pragas e as ervas daninhas

      As armas e os homens de mal

      Vão desaparecer nas cinzas de um carnaval


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e violão de 6 cordas: Marcos Arcanjo

      Cavaquinho Gianini: Paulo Soares

      Violão 7 cordas: Paulão 7 cordas

      Surdo, ganzá, pandeiro, repique de anel e tamborim: Maninho

      Vocais: Nena Queiroga, Ylana Queiroga e Vanessa Miranda

    • Dois pra Sempre (Lula Queiroga) Letra


      Sempre em meu coração

      Esse desejo bom

      Quase maior do que o futuro

      Eu sei

      Que no mundo existe alguém

      Alma parecida

      Pra dividir minha vida

       

      Sempre adivinhação

      Sempre eu querer saber

      Um passo a frente do destino

      E eu sei

      Vi o amor chegando assim

      Coisa tão querida

      Muda o sentido da vida

       

      Olho iluminado

      Braço arrepiado

      Lágrimas caindo sobre o jardim

      Quando acontece de ser assim

      Dois pra sempre


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Toninho Ferragutti e Yuri Queiroga

      Arranjo de cordas e cello: Lui Coimbra

      Acordeom: Toninho Ferragutti

      Violão e panelas indianas: Yuri Queiroga

    • Os Beijos (Pedro Luís / Ivan Santos) Participação especial: Pedro Luís e a Parede Letra


      O beijo no sofá

      O beijo no harém

      Um beijo na estação de trem

       

      O beijo de amor

      O beijo sem tesão

      O de reconciliação

       

      O beijo das canções

      O beijo das araras

      O beijo de aflições e taras

       

      O beijo que se dá

      O beijo que se ganha

      O beijo da mulher-aranha

       

      Tem beijo devoção

      Também beijo-troféu

      E beijo artigo de bordel

       

      O beijo após a missa

      Me beija diz a moça

      Um beijo dado assim à força

       

      Um beijo que é real

      O outro é sonhador

      E beija o pôster do cantor

       

      Um beija a sua mão

      O outro o corpo inteiro

      O time beija o seu goleiro

       

      De beijo no Bebê

      A mãe da mais de cem

      Mas beijo-crime também tem

       

      Um beijo em Paris

      O beijo do cartaz

      Um beija o outro rapaz

       

      O beijo no escuro

      O beijo à meia luz

      O beijo nos pés de Jesus

       

      Um beija e lambe a pele

      Um morde e causa dor

      O beijo diz como é que eu tô

       

      O beijo da serpente

      O beijo no asfalto

      O beijo no meio do mato

       

      O beijo que oferece

      O beijo que ofende

      O beijo azul do happy end

       

      O beijo da chegada

      O beijo despedida

      O beijo com sabor de vida

       

      Um beijo em sigilo

      O beijo da novela

      Os beijos que eu já dei nela


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Pedro Luís e a Parede e Yuri Queiroga

      Viola, violão e vozes: Pedro Luís e a Parede

      Baixo: Mario Moura

      Zabumba: C. A. Ferrari

      Caixa: Celso Alvim

      Reco-reco e triângulo: Sidon Silva

      Guitarra: Yuri Queiroga

    • Novena (Geraldo Azevedo / Marcus Vinicius) Participação especial: Geraldo Azevedo Letra


      Sei que são nove dias, nove penas

      Enquanto a espera aumenta

      O mundo se faz esquecido

      Na terra dos homens

      De luzes coloridas

       

      Enquanto a família reza a novena

      As notícias que montam cavalos ligeiros

      Vão tomando todo o mundo

      E na casa, no lar

      Esquecidos ficam todos longe de saber

      O que foi que aconteceu

      E ali ninguém percebeu

      Tanta pedra de amor cair

      Tanta gente se partir

      No azul dessa incrível dor

       

      Enquanto a família reza

      Alguém segue a novena

      No abismo de preces repetidas

      No sossego de uma agonia sem fim

       

      Enquanto a família reza a novena

      Nove dias se passam marcados

      Sem tempo, sem nada e sem fim

      No meio do mundo, do medo

       

      E de mim despedaço em tanto verso

      Então de orações a sala se faz

      E lá fora se esquece a paz

      Uma bomba explodiu por lá

      Sobre os olhos de meu bem

      E assim me mata também

      Enquanto a novena chega ao fim

      Bandas, bandeiras

      Benditos passando pela vida

      E a novena se perde esquecida de nós

       

      Nas horas de Deus, amém

      Padre, Filho, Espírito Santo

      Essa é a primeira cantiga

      Que nessa casa eu canto


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Elba Ramalho

      Violão de nylon: Geraldo Azevedo

      Violão de 12 cordas: Marcos Arcanjo

      Acordeom: Lulinha Alencar

      Percussão: Firmino

      Berimbau, alfaia, ilu, conga e triângulo: Jam da Silva

    • Conceição dos Coqueiros (Alexandre Bicudo / Lula Queiroga / Lulu Oliveira) Letra


      Ia dessa maneira

      Subindo o morro bem devagar

      Boca da alma cantando

      Senhora dos coqueiros

      Chego mais perto e me ilumino

      Eu que já vim de tão longe

      Do mar

      Daqui se vê o mar

      Também se vê a dor e o mal

      Gente que reza e sofre tanto

      Leve ao ouvido de Deus

      O meu lamento

      Por nós

       

      Chuva derrete o gesso

      Ó, Conceição estende o manto

      Vira do avesso esse canto

      Desce dessa janela

      Venha soprar vela por vela

      Sopre de novo esperança

      Vem cá

      Vem desabençoar

      Essa tristeza intrusa

      Faz a ciranda na ladeira

      Sopra no ouvido de Deus

      Esse lamento

       

      Leva ao ouvido de Deus

      Esse lamento

       

      Ave Maria

      Gratia plena

      Dominus tecum


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo: Tostão Queiroga e Yuri Queiroga

      Programações: Tostão Queiroga

      Harpa: Cristina Braga

      Acordeom: Toninho Ferragutti

      Conduíte e tambor subgrave: Jam da Silva

      Programações, baixo, cavaquinho, teclados e guitarra: Yuri Queiroga

      Violão: Renato Bandeira

    • Amplidão (Chico César) Letra


      Deixa eu te guardar

      A casa é sua

      Faz em mim teu lar

      Me reconstrua

      Queira me habitar

      Onde eu me escondo

      Faz deste lugar

      Só seu no mundo

       

      Eu quero ser

      Onde você

      Sossega a alma

      E chora e ri

      Encontra a calma

      Pra sonhar sem dormir

      Vem acender

      As luzes que iluminam o meu coração

      Vem ter comigo sua parte da amplidão

      De minha parte

      Eu estou aqui


      FICHA TÉCNICA:

      Produção: Lenine

      Violão de 8 cordas: Paulo Aragão

      Violão requinto: Maurício Marques

      Violão: Marcos Alves e Carlos Chaves

sjc-fallback

Qual o assunto que mais lhe interessa:

1. O amor, o romance desfibrilado, o coração de veias apressadas. A paixão harmonizada e contemplativa. O par em sintonia com o cosmos.
2. O derretimento das calotas polares. O efeito estufa. O aquecimento global. O turbilhão das águas inundando terraços à beira-mar. O sol rachando a terra.
3. A decadência da decência, a escassez moral. O moto-perpétuo, o círculo vicioso da ganância.
4. Uma nuvem de borboletas invadindo a cidade.
5. A morte de Saddam, Pinochet e Yeltsin em menos de quatro meses.
6. A fé removendo montanhas na sua cabeça, a força inabalável dos peregrinos. A liturgia das novenas rezadas, mantras em looping, hipnotizando famílias na aridez sertaneja.
7. A gentileza civilizatória dos motoristas e pedestres no cotidiano assassino do trânsito. Os ruídos da metrópole estrangulada.
8. O movimento rápido dos olhos, no momento do sonho.
9. A passeata revolucionária dos bois de festejo.
10. Os beijos.

Este novo álbum de Elba Ramalho é um vasto cardápio de assuntos. E de paisagens sonoras. E aquela voz que arrasta junto com ela uma ambiência. Uma atmosfera própria e inconfundível.
Ora o solfejo da doçura e da celebração amorosa. Ora o tom dramático, apocalíptico dos arautos. Ora a indignação perplexa, ora a sabedoria ancestral da paciência transformadora.
Puro Elba.
Cantando pros anjos. Com o apuro da maturidade e o sopro jovial dos inquietos.
É um disco para ouvir inteiro. Mais do que um rol de canções, um passeio pelos caminhos de sol e de sombra na amplidão dos sentimentos humanos.
Elba é uma corisca cintilante, princesa do Cosmo. Foi uma honra trabalhar e poder estar perto dela e da família. Segundo estão dizendo ficou muito bom. Ave Ramalho...

Lula Queiroga

Qual o assunto que mais lhe interessa, o mais novo CD de Elba Ramalho, mostra em primeiro lugar uma unidade de sonoridade e de espírito com os discos mais significativos e de maior impacto na carreira da cantora. Para quem passeia com tanta facilidade por diferentes ritmos, Elba tem uma obra de enorme continuidade e coerência. Elba não é basicamente uma forrozeira, como Marinês. Não é basicamente uma sambista, como Beth Carvalho; ou uma cantora de “música baiana” como Ivete Sangalo ou Daniela Mercury, uma intérprete de music-hall, de bolero, de frevo ou de baladas românticas como dezenas. Já vestiu todos esses modelos, mas nenhum deles a define como cantora.
Qual o assunto que mais lhe interessa revela, a partir da faixa-título, uma preocupação em dizer, contar, discutir. Sem a intenção de fazer a cabeça do público ou de propagandear uma ideologia, mas por uma necessidade de falar de assuntos interessantes. Por mais que a obra de Elba seja uma festa permanente, com muito som, muita luz, muito peso e amplificação, muita gente no palco, se tudo isso fosse arrancado não deixaria um vazio: deixaria a medula que move o seu trabalho, e que é a mais nobre missão de um artista, segundo Bob Dylan: “contar histórias e fazer perguntas”.
Elba é porta-voz de compositores que revelou, ou que, mesmo já gravados por outros artistas, tiveram na sua voz as interpretações mais vigorosas e inesquecíveis. Elba não canta apenas “por cantar”, sempre cantou para dizer: para contar histórias, para lembrar lugares, para explicar pessoas, para revelar uma parte da nossa vida de que a gente não tinha conhecimento. Elba é uma das cantoras com quem um letrista sente que não desperdiçou seu tempo.
Um aspecto em Qual o assunto que mais lhe interessa remete a um dos discos fundamentais na carreira de Elba, Leão do Norte (1996). Ambos se focam num grupo de compositores que servem para delimitar uma espécie de centro de gravidade da MPB. Esse centro é um núcleo de maior densidade ao qual a gente sempre recorre para não se perder nos labirintos fractais de uma contemporaneidade que nos oferece diariamente novos estilos, novos gêneros, novas tendências, novas tribos, novas tecnologias, novos modelos, novos canais de veiculação, novas receitas salvadoras, novas liberdades obrigatórias.
Em Leão do Norte, Elba havia retornado a esse centro buscando a obra de Lauro Maia, Zé Ramalho, Luiz Gonzaga, Caymmi, Jackson do Pandeiro; e conectando a ela a obra de seus contemporâneos Lenine e Chico César. Depois de uma série de discos em que a cantora tinha visitado de passagem variados estilos musicais, Leão do Norte produziu em todos a sensação de que alguma coisa de repente fez contato, de que uma conexão que estava tênue e vagarosa se avivou, e uma corrente de energia, que nunca havia secado por completo, recomeçara a fluir. É uma sensação parecida a que produz Qual o assunto que mais lhe interessa, quando vemos Elba contatar novamente o universo de Gonzaga e Jackson, só que agora através de seus herdeiros Maciel Salu & Jam da Silva e Accioly Neto. Ou quando essas canções se misturam às de nomes como João Nogueira & Paulo César Pinheiro ou Jorge Ben Jor (que Elba havia interpretado raramente); e quando dialogam com o que poderíamos chamar de “pop-popular” (num paradoxo típico da cultura de massas) feito por Pedro Osmar & Paulo Ró, por Carlinhos Brown e por Chico César. Para não falar nos contemporâneos Pedro Luís & Ivan Santos, Arnaldo Antunes, Capinam & Roberto Mendes, Lenine e Lula Queiroga, além dos eternos parceiros Geraldo Azevedo e Zé Ramalho.
Um dos assuntos que mais interessam a Elba neste momento é a religião, e o que poderia redundar num leque de canções evangelizadoras tem neste disco um perfil de musicalidade pura. Ave anjos angeli de Ben Jor é uma invocação à Divindade e uma reverência de quem é recebido em terreiro amigo: “Dá licença de cantar nesse lugar...” Uma das mais belas canções do disco é a que é dedicada a Nossa Senhora: Conceição dos Coqueiros (Lula Queiroga, Lulu Oliveira e Alexandre Bicudo), que traz o espírito melancólico, devoto e altivo da religiosidade popular do morro recifense.
Esta última música chama a atenção para um dos elemento mais visíveis em Qual o assunto que mais lhe interessa: a sonoridade digital resultante da presença do produtor Lula Queiroga e dos seus fiéis escudeiros Yuri e Tostão. Ouvi comentários de que o disco estava “moderno”, “pop” e isto me lembrou o aparecimento de Ave de Prata em 1979. O disco de estreia de Elba foi uma surpresa parcial para os que já a conheciam. Uma parte esperava um disco de forró nordestino, outra esperava um disco de MPB clássica: e os comentários eram de que se tratava de um disco pop. Apesar de gravado precariamente, ainda é para muitos ouvintes de Elba um dos discos prediletos, pelo repertório surpreendente, arranjos originais e sonoridades inesperadas. Este novo CD remete a essa faceta moderna que era um dos elementos mais visíveis em Ave de Prata e que depois retrocedeu para dar lugar a “Elba a forrozeira”, “Elba a cantora de música baiana” e outros carimbos mais nítidos, obrigatórios na alfândega da indústria fonográfica.
Enquanto a indústria fonográfica se recicla e se reconstrói, este disco recupera o que essa indústria sempre teve de melhor – grandes compositores, grandes intérpretes, grandes canções – e põe um pé na música do presente, onde cada qual pode usar a sonoridade que mais lhe convém e falar dos assuntos que mais lhe interessam.

Braulio Tavares
(agosto de 2007)

@parent