Vambora Lá Dançar

2013

Vambora Lá Dançar
    • Embolar na Areia (Herbert Azul) Letra


      Eu hoje à noite vou sair pro mêi rua

      Vou beijar a santa lua que cismou de aparecer

      É dia de festa, fitas, feira e reisado

      Ó, meu belo do pecado

      Morro de amor por você

       

      Namoradeiro, menino canavial

      Se banha no São Francisco do Penedo Coqueiral

      E no Puxim

      Coruripe do pontal

      És fruto, nome de flor

      Na trilha do manguezal

       

      Vamos se embolar na areia meu amor, viu

      Vamos se embolar na areia

      Vamos se embolar na areia meu amor, viu

      Vamos se embolar na areia

       

      Grão de areia

      Eu te dou colar de conchas

      Faço promessa pras águas

      Pro vento vir e soprar

      E em janeiro

      Ir ao mar dos navegantes

      Para em terras bem distantes

      A santa abençoar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, Rhodes, programação de bateria, percussão e efeitos: Zé Américo Bastos

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarras e viola 12: Pedro Braga

      Coro: Elba e Flavio Rêgo

    • Deitar e Rolar (Antonio Barros / Cecéu) Letra


      Quero comer da tua comida

      Beber da tua bebida

      Deitar na tua cama

       

      Quero ser tua sobremesa

      Porque eu quero ter a certeza

      Meu bem, que você me ama

       

      Quero lavar o teu prato

      Eu quero estar no teu retrato

      Da tua sala de estar

       

      Quero sentir teu calor

      Provar o gosto do amor

      O amor que você tem pra dar

       

      Aí, eu vou, meu bem

      Eu vou deitar e rolar

      Aí, eu vou, meu bem

      Eu vou deitar e rolar

       

      Quero ser o teu caminho

      O calor do teu verão

      O agasalho do teu ninho

      Teu amor, tua paixão

       

      Deitar no teu leito

      E poder te abraçar

      E daquele jeito você me beijar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarras: Sandro Haick e Marcos Arcanjo

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira

      Sax soprano e tenor: Zé Canuto

      Coro: Jussara e Jurema Loureço, Guadalupe e Elba

    • Frevo Meio Envergonhado (Monique Kessous) Letra


      Não sou de nenhuma tribo

      A minha ciranda não tem roda não

      Eu faço de tudo um pouco

      Mas ninguém viu, ninguém sabe não

       

      Sou desse jeito meio envergonhada

      Mas quando eu danço vou até o chão

      Sou desse jeito meio envergonhada

      Mas quando eu danço vou até o chão

       

      Será que eu posso ensinar

      A desligar o botão

      É viver só com o coração

       

      Vida é feita pra amar

      Fazer o que bem quiser

      Tô aprendendo a chupar cana e assobiar

      Vida é feita pra amar

      Fazer o que bem quiser

      Tô aprendendo a chupar cana e assobiar

       

      Esse é o meu frevo, meu fogo

      Meu eterno carnaval

      Eu vou correndo pra não me atrasar

      Vambora lá dançar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, PAD, synth e programação de percussão: Zé Américo Bastos

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarra e violão: Marcos Arcanjo

      Bateria: Tostão Queiroga

      Percussão: Durval Pereira e Anjo Caldas

    • Quando Fecho os Olhos (Chico César / Carlos Rennó) Letra


      E aí você surgiu na minha frente

      E eu vi o espaço e o tempo em suspensão

      Senti no ar a força diferente

      De um momento eterno desde então

       

      E aqui dentro de mim você demora

      Já tornou-se parte mesmo do meu ser

      E agora, em qualquer parte, a qualquer hora

      Quando eu fecho os olhos vejo só você

       

      E cada um de nós é um a sós

      E uma só pessoa somos nós

      Unos num canto, numa voz

      E cada um de nós é um a sós

      E uma só pessoa somos nós

      Unos num canto, numa voz

       

      O amor une os amantes em um ímã

      E num enigma claro se traduz

      Extremos se atraem, se aproximam

      E se completam como sombra e luz

       

      E assim viemos nos assimilando

      Nos assemelhando a nos absorver

      E agora, não tem onde, não tem quando

      Quando eu fecho os olhos vejo só você


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, piano e cordas (sample): Zé Américo Bastos

      Baixo: Ney Conceição

      Violão (stell e nylon): Marcos Arcanjo

      Bateria: Tostão Queiroga

      Percussão: Durval Pereira e Anjo Caldas

      Acordeom: Mestrinho

    • Por Que Tem Que Ser Assim? (Chico Pessoa / Cezzinha Thomaz) Letra


      Já é tarde e sem querer

      Eu aqui de novo pensando em você

      Por querer teu coração

      Tô perdida na razão

       

      Ah, como eu queria

      Ficar sempre de braços abertos pra você

      Como o Cristo Redentor

       

      Ah, eu não queria

      A cada dia amanhecer sem teu amor

      Eu não suportaria tanta dor

       

      Por que tem que ser assim?

      Se eu te quero tanto

      O quanto você quer a mim

      Se eu te amo tanto

      Por que tem que ser assim?


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Violão e viola caipira: João Lira

      Percussão: Anjo Calas e Durval Pereira

    • Não Chora, Não Chora Não (Petrúcio Amorim) Letra


      Quando o forró começa assim ninguém aguenta

      O sangue esquenta na batida do baião

      A mulherada se assanha no terreiro

      Pega a mão do cavalheiro que seja bom de salão

       

      Aí começa a safadeza na sanfona

      O fole esquenta na batida do baião

      Ninguém nesse forró

      Não chora, não chora, não chora não

      Ninguém nesse forró

      Não chora, não chora, não chora não

       

      Ciranda também mexe com a cabeça

      O frevo faz o corpo flutuar

      Maracatu lá no terreiro de Olinda

      Faz a menina na ribeira balança

      Enquanto a alegria permanece

      No samba e no boi do Maranhão

       

      Ninguém nesse forró

      Não chora, não chora, não chora não

      Ninguém aqui nesse forró

      Não chora, não chora, não chora não


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarra: Marcos Arcanjo

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira

      Coro: Jussara e Jurema Lourenço, Guadalupe e Elba

    • Amor De Bumba-Meu-Boi (Rogério Rangel) Letra


      Eu ando louco por uma paixão maior

      E eu que bem tentei evitar o pior

      E o pior é tanto querer e não ter

      A estrada é longa

      E a sanfona chora só, só...

       

      Nessa tarde que me arde solidão

      A FM agita as tribos da nação

      Olhei você, passei a acreditar em anjo

      Sua presença deu motivo, deu canção

       

      Dança meu boi

      Pisa leve, pisa fundo

      Dança meu boi

      Vira noite, vira mundo

       

      Na madrugada

      Vai buscar o meu amor

      No pó da estrada

      Minha lágrima secou

       

      Tudo que eu canto tem um tanto de você

      Tento fugir, noutra rima me esconder

      Mas essa luz cintilando em cada verso

      Na melodia mergulho

      Deixa doer, doer...

       

      Eu ando louco que me arde solidão

      Nessa tarde tem um tanto de você

      A estrada é longa

      E eu acredito em anjo

      Minha sanfona

      Chora só, deixa doer


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo, violão 7 e bandolim: Sandro Haick

      Guitarra e violão: Marcos Arcanjo

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira, Anjo Caldas e Elba

      Coro: Jussara e Jurema Lourenço, Guadalupe e Elba

    • Fibra de Cristal (Sérgio Sá) Letra


      Me aparece de dentro do peito

      Transmitindo um eterno sinal

      De que estranha matéria ele é feito?

      Fibra fina, fibra de cristal

       

      Cruza portas, transpassa paredes

      Pelos ares e mares se lança

      É o fio de todas as redes

      Se estendendo na invisível dança

       

      Meu amor

      Quando é teu companheiro que te chama

      A energia fugaz de quem te ama

      Não conhece limites pra te tocar

       

      Neste amor

      Cada impulso é canção que se traduz

      Em som, na velocidade da luz

      Que te alcança antes mesmo de eu cantar

      Te alcança antes mesmo de eu cantar

       

      Sol ardente, camadas de gelo

      Tempestade, avalanche ou vulcão

      Nada vai ser capaz de detê-lo

      No caminho do teu coração

       

      Dá mil voltas em torno do mundo

      Desce o cosmo se preciso for

      Do meu peito ele nasce no fundo

      Pra mandar meus recados de amor


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, Rhodes, synth e programação de bateria e percussão: Zé Américo Bastos

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarras e viola 12: Pedro Braga

    • Mucuripe (Fagner / Belchior) Letra


      As velas do Mucuripe

      Vão sair para pescar

      Vou levar as minhas mágoas

      Pras águas fundas do mar

      Hoje à noite namorar

      Sem ter medo da saudade

      Sem vontade de casar

       

      Calça nova de riscado

      Paletó de linho branco

      Que até o mês passado

      Lá no campo inda era flor

       

      Com o meu chapéu quebrado

      Um sorriso ingênuo e franco

      De um rapaz moço encantado

      Com vinte anos de amor

       

      Aquela estrela é dela

      Vida, vento, vela leva-me daqui

      Aquela estrela é dela

      Vida, vento, vela leva-me daqui


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, piano e cordas (sample): Zé Américo Bastos

      Baixo: Ney Conceição

      Violão: Marcos Arcanjo

      Bateria: Tostão Queiroga

      Percussão: Durval Pereira e Anjo Caldas

      Acordeom: Mestrinho

    • Onde Deus Possa Me Ouvir (Vander Lee) Letra


      Sabe o que eu queria agora, meu bem?

      Sair, chegar lá fora e encontrar alguém

      Que não me dissesse nada

      Não me perguntasse nada também

       

      Que me oferecesse um colo ou um ombro

      Onde eu desaguasse todo o desengano

      Mas a vida anda louca

      As pessoas andam tristes

      Meus amigos são amigos de ninguém

       

      Sabe o que eu mais quero agora, meu amor?

      Morar no interior do seu interior

      Pra entender por que se agridem

      Se empurram pro abismo

      Se debatem, se combatem sem saber

       

      Meu amor, deixa eu chorar até cansar

      Me leve pra qualquer lugar

      Aonde Deus possa me ouvir

       

      Minha dor eu não consigo compreender

      Eu quero algo pra beber

      Me deixe aqui, pode sair

      Adeus


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo, Rhodes e teclado: Zé Américo Bastos

      Arranjo e acordeom: Mestrinho

      Baixo: Ney Conceição

      Violão: Marcos Arcanjo

      Guitarra: Pedro Braga

      Bateria: Tostão Queiroga

      Percussão: Durval Pereira e Anjo Caldas

    • Tu de Lá, Eu de Cá (Antonio Barros / Cecéu) Letra


      Meu bem, vamos fazer esse forró pegar fogo

      Entra no jogo, entra no jogo

      Quem nunca joga, não pode aprender

      Ganhar e perder, perder e ganhar

      Entrar pela noite, sair de manhã

      Comer a maçã sem Eva notar

      Vamos chinelar, levantar poeira

      Porque essa brincadeira vai até o sol raiar

       

      Tu de lá, eu de cá, meu bem

      Como as ondas do mar

      Tu de lá, eu de cá, meu bem

      Como as ondas do mar

       

      Chega aqui pertinho, me dá um cheirinho

      Pisa miudinho no meu coração

      Explode no peito a tua alegria

      Sorria, sorria, minha grande paixão

       

      As águas que correm no rio Amazonas

      Vão fazer marola nas ondas do mar

      O teu remelexo me endoida a cachola

      Na tua marola quero me afogar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Violão 7 e bandolim: Sandro Haick

      Guitarra: Marcos Arcanjo

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira

      Coro: Jussara e Jurema Lourenço, Guadalupe e Elba

    • Na Rede (Nando Cordel) Letra


      Quem é que não gosta

      De um agarradinho

      De forró no escurinho

      De sentir calor

       

      Quem é que não gosta

      De ficar na rede

      De matar a sede

      De fazer amor

       

      Quem é que não gosta

      De ouvir fungado

      De ficar grudado

      De sentir prazer

       

      Nesse quebra-quebra

      Nesse esfrega-esfrega

      Coração fica pedindo

      Pra se derreter

       

      Ai, ai, ai, ai, ai, ai

      Aqui tá bom demais, aqui tá bom demais

      Ai, ai, ai, ai, ai, ai

      Aqui tá bom demais, aqui tá bom demais

       

      Na brincadeira

      A gente faz o que é bom

      A gente suja de batom

      A gente cresce o nosso amor

      Carinho, chamego, desejo, sabor


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarras: Sandro Haick e Marcos Arcanjo

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira

      Coro: Jussara e Jurema Lourenço, Guadalupe e Elba

    • Minha Vida é Te Amar (Dominguinhos / Nando Cordel) Letra


      Minha lua é tua estrada

      Minha ceia é teu sabor

      Minha casa a tua espera

      Nos meus braços, teu amor

       

      Teu sorriso é sempre lindo

      Meu desejo é te encontrar

      Meu prazer é infinito

      Minha vida é te amar

       

      Eu quero tudo, eu faço tudo

      Pra ficar perto de você

      Você é sede, é sonho, é lírio

      É a razão pra eu viver


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Violão e viola caipira: João Lira

      Percussão: Anjo Caldas e Durval Pereira

    • Forró Brasileiro (Cezzinha Thomaz / Fabio Simões) Letra


      Bate o zabumba, bate o triângulo e pandeiro

      Chama o povo brasileiro que o forró vai começar

      Puxa esse fole, bota gás no candeeiro

      Que a palha do coqueiro da palhoça vai voar

       

      É pra dançar forró e arrasta-pé

      Homem dançar com mulher até o dia clarear

      Eu quero ver aquele bole-bole

      Que o corpo fica mole, nego bota pra suar

       

      Forró brasileiro

      Começou no meu terreiro

      E todo mundo quer dançar

      Forró brasileiro

      Começou no meu terreiro

      E vai até o sol raiar


      FICHA TÉCNICA:

      Arranjo e acordeom: Cezzinha Thomaz

      Baixo: Ney Conceição

      Guitarra: Sandro Haick

      Bateria: Sergio Machado

      Percussão: Durval Pereira

      Sax alto, soprano e tenor: Zé Canuto

      Coro: Jussara e Jurema Loureço, Guadalupe e Elba

sjc-fallback

“Este disco foi gravado em dois tempos distintos e tem as assinaturas de dois grandes músicos e produtores: Cezzinha Thomaz e Zé Américo Bastos. Em ambos, está o meu espírito, hora romântico, hora festeiro, do jeito que a gente gosta. Um convite à festa, a alegria e a boa música. Agora é com você e pra você”. Elba Ramalho

 

O convite está feito! É hora de levantar da cadeira, puxar seu par pra junto e ir para o meio do salão! Quem irrompe no palco e nas caixas de som é Elba Ramalho, cheia de energia, colocando fogo na mistura pra todo mundo se requebrar!

Vambora lá dançar, o novo álbum de carreira da artista que é uma das maiores representantes da música brasileira e da cultura nordestina, é um chamado para a alegria! Recheado de xotes, forrós e outros ritmos dançantes pra lá de animados e algumas baladas, o CD ganhou título extraído do refrão da música Frevo meio envergonhado, de Monique Kessous, um dos talentos da nova cena da MPB.

A mistura do som eletrificado com o acústico, característica marcante que permeia toda a carreira da artista, faz com que o ouvinte rapidamente perceba o inconfundível estilo Elba Ramalho nesse álbum.

Entre as faixas do disco, o forró Deitar e rolar, de Antonio Barros e Cecéu (autores de vários sucessos na voz de Elba) não vai deixar ninguém parado e Por que tem que ser assim? (Chico Pessoa e Cezzinha Thomaz), é uma balada arrebatadora bem ao estilo da cantora. Entre as regravações estão Quando fecho os olhos (Chico Cesar e Carlos Rennó), Mucuripe (Fagner e Belchior) e Onde Deus possa me ouvir (Vander Lee), que ganhou versão em xote.

Vambora lá dançar, 31° disco de Elba Ramalho, chega às lojas de todo Brasil em fevereiro e é um lançamento/distribuição da gravadora Saladesom Records, numa parceria com a Acauã Produtora, escritório da artista.

 

O disco - música a música

O álbum abre com a música Embolar na areia, de HebertAzzul. Forró dançante, para tirar a poeira do chão.

A segunda faixa, outro forró, Deitar e rolar (Antonio Barros e Cecéu), começa com uma introdução samba-funk, e traz a sanfona em destaque. O refrão flerta com o samba de roda, “Aí eu vou meu bem, eu vou deitar e rolar...”.

O xote, Frevo meio envergonhado, da carioca Monique Kessous, é a terceira faixa, e contém o verso que dá título a este novo trabalho de Elba, Vambora lá dançar.

A primeira balada do disco, Quando fecho os olhos, bem ao estilo do compositor Chico Cesar, foi composta em parceria com Carlos Rennó. A letra traz a constatação de um amor tão forte a tal ponto dos apaixonados não conseguirem se distinguir mais um do outro. “Quando eu fecho os olhos, vejo só você... E cada um de nós é um a sós, e uma só pessoa somos nós. Unos num canto, numa voz”.

A quinta música Por que tem que ser assim?, de Chico Pessoa e Cezzinha Thomaz, é uma balada xote, romântica, no melhor estilo Elba Ramalho. O arranjo e a sanfona são do compositor e sanfoneiro Cezzinha Thomaz. A letra trata de um amor impossível “Se eu te quero tanto o quanto você quer a mim, se eu te amo tanto, por que tem que ser assim?”.

A faixa 6, Não chora, não chora não de Petrúcio Amorim, é um forró em que o tema abordado nos versos da música é o próprio forró... “Quando o forró começa assim ninguém aguenta, o sangue esquenta na batida do baião, a mulherada se assanha no terreiro, pega a mão do cavalheiro que seja bom de salão...”.

Amor de bumba-meu-boi, de Rogério Rangel, faixa sete, utiliza os ritmos do bumba-meu-boi... Um pouco da região Norte no som nordestino da cantora.

Fibra de Cristal, de Sérgio Sá, oitava faixa, é um maracatu. Aqui mais uma vez a mistura eletro acústica marca presença contrapondo frases de guitarras distorcidas com frases de acordeom, tudo com o molho percussivo do maracatu.

Mucuripe (Fagner e Belchior). Com interpretação emocionada de Elba, a música entrou para o repertório da cantora por conta de um programa sobre a geração anos 70 do Nordeste, onde Elba cantou a canção. Desde então surgiu a vontade de gravar a música, que ganhou arranjo com cordas e bongô.

Onde Deus possa me ouvir, a faixa 10, é uma canção que tocou bastante nas rádios na voz do próprio compositor Vander Lee. Na versão de Elba, a música ganha uma versão xote, trazendo a canção para o universo da cantora.

A faixa 11 é Tu de lá, eu de cá, de Antonio Barros e Cecéu, é um forró com F maiúsculo, com toques de samba de roda praiano.

O compositor Nando Cordel, recorrente na carreira de Elba, emplaca o forró Na rede, décima segunda faixa do CD: “Ai aiaiaiaiaiai aqui tá bom demais, aqui tá bom demais”.

Dominguinhos marca presença na décima terceira faixa com o xote malemolente Minha vida é te amar, parceria com Nando Cordel: “Eu quero tudo, eu faço tudo pra ficar perto de você. Você é sede é sonho é lírio, é a razão pra eu viver!”.

E para fechar o álbum, Forró brasileiro, de Cezzinha Thomaz e Fábio Simões, reafirma o convite para a dança presente no título do disco: “Forró brasileiro, começou no meu terreiro e todo mundo quer dançar. Forró brasileiro começou no meu terreiro e vai até o sol raiar”.

 

Vinicius Mattoso Produções Artísticas Ltda


@parent